Buscar

Brincar é coisa seria

- Claudia Cristina Santos de Castro -


O agente do brincar é o profissional que por meio de práticas socioeducativas promove oportunidades para pessoas brincarem... Fortalece vínculos afetivos e sociais, promove o desenvolvimento harmonioso de crianças e jovens através do brincar.


Brincar: conduta livre e espontânea que a criança expressa por sua vontade e pelo prazer que lhe dá. Ao manifestar a conduta lúdica, a criança demostra o nível dos seus estágios cognitivos e constrói conhecimentos (Jean Piaget)


O brincar não é um mero passatempo, enquanto brinca, a criança desenvolve o exercício da fantasia e da imaginação, adquirindo, assim experiências que irão contribuir para a vida adulta, experimentando inúmeras sensações. Ao brincar a criança pensa, reflete e aprende.

São momentos e lembranças que levarão por toda vida. Na minha infância eu brincava livremente na rua, nadava nos rios, subia em arvores etc. Hoje, a realidade é outra, quase não se tem espaços para brincar, insegurança dos pais, aumento da violência e o avanço da tecnologia, tem contribuído para que muitas brincadeiras sejam esquecidas. na idade média, crianças e adultos brincavam juntas, compartilhavam dos mesmos jogos.

Para Tomás de Aquino, o brincar era uma forma de relaxamento e recreação. Hoje, o brincar é direito estabelecido por lei. Na antiguidade o brincar era considerado uma atividade fútil. Segundo Aristóteles:


Forma de relaxamento e recreação para posterior trabalho escolar (Aristóteles).


E Brincar é muito mais que recreação ou passatempo para crianças, brincar é um processo permanente de descobertas, a criança que brinca é mais esperta, tem mais facilidade para aprender de forma natural.

Desenvolver brincadeiras de faz de conta com crianças menores, contando historinhas. Para uma criança brincar não precisa de muita coisa, é possível improvisar brinquedos com matérias recicláveis, estimular a crianças a fabricar o próprio brinquedo estimulando a criatividade e a imaginação. Um cabo de vassoura se transforma em um cavalo, ou uma espada.


O brincar por ser uma atividade livre, que não inibi a fantasia, favorece o fortalecimento da autonomia da criança e contribui para a não formação e ate quebra de estruturas defensivas. O brincar é uma atividade essencial para saúde física, mental e intelectual do ser humano. A importância do brincar é uma realidade inquestionável atualmente, inclusive em ambiente hospitalar. Com a implantação da lei nº 11.104 2005, de autoria da deputada Luiza Erundina, que prega que todas as unidades que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação devem, por obrigatoriedade, instalar brinquedotecas nos hospitais e ainda através do direito adquirido pelas crianças de brincar inclusive no hospital e da importância da não interrupção do desenvolvimento infantil nesse local.

A resolução nº 41 do ministério da justiça e do conselho nacional dos direitos da criança e do adolescente de Outubro de 1995, já previa que ‘’toda criança e adolescente hospitalizado tem o direito de desfrutar de alguma forma recreação, programas de educação para a saúde, acompanhamento de currículo escolar durante a permanência hospitalar’’, sendo assim, o ato de brincar e o brinquedo ganharam destaque tanto na literatura quanto na realidade hospitalar. Brincar, portanto está relacionado a saúde, quando a criança deixa de brincar é porque esta apresentando distúrbio, mesmo se sua saúde física parece normal.

A brinquedoteca, por exemplo, é o lugar onde a criança pode desenvolver sua capacidade psicomotora através do lúdico, com brincadeiras e brinquedos. Na sua historia, as brinquedotecas brasileiras apresentam um caráter diferente das primeiras brinquedotecas de que se tem noticia. No Brasil, a brinquedoteca’’...é o espaço criado com o objetivo de proporcionar estímulos para que a criança possa brincar livremente’’(cunha,1996,p 45). Nas brinquedotecas de outros países ,como por exemplo, nos Estados Unidos, as brinquedotecas tem como principal objetivo o empréstimo de brinquedos, ou seja, são brinquedotecas circulantes. Mas a brinquedoteca não e só um monte de brinquedos, são objetos que não tem vida em uma estante, mas quando chegam as Mãos das crianças criam vida. ‘’Pois ela é acima de tudo um mundo de brincadeiras’’( cunha,1996,p.56).

O acervo de uma brinquedoteca deve ser variável para que possa atender todas as faixas etárias e as necessidades que o usuário apresenta.


Eles devem estimular a curiosidade

A imaginação

Explorar os sentidos

Existem vários tipos de brinquedos, se bem explorados possibilitam a aprendizagem.

Os brinquedos didáticos

Os lúdicos

Os brinquedos tradicionais

Os brinquedos de montar





Os brinquedos exercem um fascínio sobre a criança devido as suas cores, modelos e atribuições. Brincar não é apenas um passar tempo, mas é também uma forma de desenvolver inúmeras habilidades de forma agradável.




Referências


Profa. Patrícia Silva. Jogos e brincadeiras

Vygotsky, L.S. A formação social da mente. 3 ed. São Paulo; Martins Fontes 1991

Benjamim, Walter, reflexões; a criança, o brinquedo, a cultura. Campinas: Sumus, 1984

64 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil