Buscar

BRINCAR como CONSTRUÇÃO SOCIAL

Géssica Ap. P. dos Santos




Quando as crianças brincam

E eu as ouço brincar,

Qualquer coisa em minha alma

Começa a se alegrar.

E toda aquela infância

Que não tive me vem,

Numa onda de alegria

Que não foi de ninguém.

Se quem fui é enigma,

E quem serei visão,

Quem sou ao menos sinta

Isto no coração. ” (Fernando Pessoa.)


Brincar é uma necessidade do ser humano. Prática que, de acordo com o tempo histórico e a cultura em que está inserida, se transforma e recebe diferentes significados seja na dança, na pintura, nos jogos ou nas brincadeiras tradicionais. O lúdico sempre se fez presente na vida do ser humano, porém sua importância para o desenvolvimento nem sempre foi valorizada. As pesquisas realizadas no âmbito da psicologia e da educação contribuíram para que o brincar se estabelecesse como prática essencial para o desenvolvimento infantil e passasse a ser valorizada tanto na família quanto na escola.


O Referencial Nacional Curricular Para a Educação Infantil (1998), destaca o brincar como um direito fundamental da criança e pontua a necessidade de proporcionar experiências diversas e ricas a fim de que sua capacidade criativa seja exercitada. Vale salientar a abordagem do tema, também, na Constituição Federal de 1998, bem como o estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que expõe o direito de se expressar e experienciar a brincadeira. O Marco Legal da Primeira Infância de 2016 atribui a responsabilidade à União, aos Distritos e Municípios a criação de espaços lúdicos que proporcionem lazer em que criança possa exercer sua criatividade.

Além da políticas públicas que asseguram o direito da criança em todos os setores como saúde, educação e lazer, faz-se necessário, também, a participação da comunidade tanto na tomada de decisão a respeito o que é essencial para seu desenvolvimento, quanto na participação de eventos e ações que valorizem a participação da criança. Segundo Almeida (2014), as atividades lúdicas promovem o desenvolvimento afetivo, físico, intelectual e social da criança uma vez que possibilita a expressão oral e corporal, contribui para o autoconhecimento e as relações sociais entre os pares e permite a vivência das práticas estabelecidas socialmente.

A brincadeira é resultado da imitação da realidade vivenciada pelos sujeitos, uma vez

que ao brincar a criança se apropria da realidade e a ressignifica, pois ela vai construindo uma articulação entre o real e o imaginário, os objeto que outrora exerciam uma função podem, durante a brincadeira, assumir um novo papel que corresponderá ao que foi estabelecido pelo brincante. (Queiroz, 2006).


“A brincadeira é de fundamental importância para o desenvolvimento infantil na medida em que a criança pode transformar e produzir novos significados. Em situações dela bem pequena, bastante estimulada, é possível observar que rompe com a relação de subordinação ao objeto, atribuindo-lhe um novo significado, o que expressa seu caráter ativo, no curso de seu próprio desenvolvimento.” (Queiroz, p. 172, 2006).

O domínio da linguagem simbólica dos objetos na brincadeira se estabelece de maneira gradual, de acordo com o desenvolvimento da criança. Assim estabelece relação que não a literal com os objetos ao seu redor, construindo o imaginário e aumentando o seu repertório cultural e corporal. As crianças se transformam partir do contato com o outro, os conhecimentos que possuem, assim em uma brincadeira de faz de conta assumir o papel de um determinado personagem a ajuda a compreender as características e a função social que ele exerce, seja um vilão, ou ainda uma princesa.

Segundo Queiroz (2006), em uma perspectiva co-construtivista, a criança desde os primeiros anos de vida está imersa a uma cultura e, portanto, a diversos significados que foram se estabelecendo historicamente, dessa forma, é na interação com o outro que esta irá re-significar tais construções e construir ativamente a noção de si, do outro e dos objetos. A imaginação é o ponto crucial que permite que a brincadeira aconteça, assim como a realidade que vai proporcionar elementos culturalmente construído para que seja recriada de forma a atender aos anseios da criança.






Poesias. Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995).

62 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil