Buscar

Crianças são sujeitos históricos

- ADRIELE NUNES DA SILVA -



Para abordar o brincar, parte-se da concepção epistemológica de que as crianças são sujeitos históricos, agentes, competentes quanto à interpretação da realidade social na qual estão inseridas, buscando contribuir com metodologias que proponham um trabalho de parceria entre adultos/as e crianças no brincar, observando a participação das crianças como um pilar importante e fundamental nesse processo de caracterização das crianças.



“[...] atores sociais pertencentes a grupos sociais específicos (de gênero, de classe social, de etnia, de idade, etc.) e pesquisadas em suas relações intra e intergeracionais.” (MARTINS FILHO; PRADO, 2011, p.01).

As crianças, ao nascerem, já são seres capazes, comunicam-se por meio de diferentes e múltiplas linguagens, busca-se enaltecer as "vozes" e feitos das crianças, inclusive daquelas que ainda não falam, mas que se comunicam para além do verbo (BECCHI, 1994; SOUZA, 2010), definindo métodos de investigação da categoria geracional infância, identificando a complexidade das infâncias e sua heterogeneidade (PROUT, 2005), buscando dialogar e investir nos saberes das próprias crianças, destacando as peculiaridades que somam à categoria, diferindo-as dos/as adultos/as (MARTINS FILHO; PRADO, 2011).

Estar diante da infância é estar diante do outro, do novo, do desconhecido, do inesperado, do enigmático, por isso a complexidade que caracteriza as crianças como “[...] seres estranhos dos quais nada se sabe, seres selvagens que não entendem nossa língua” (LARROSA, 2003, p.183) verbal e racional. Assim, ao dialogar com as múltiplas linguagens das crianças, como mencionadas na poesia Ao contrário, as cem existem1, escrita por Loris Malaguzzi (1999, s/p apud EDWARDS, GANDINI, FORMAN, 1999), os recentes estudos da infância trazem proposições do entendimento das crianças para além desta ausência verbal. 1 A criança/ é feita de cem. / A criança tem/ cem mãos/ cem pensamentos/ cem modos de pensar/ de jogar e de falar./ Cem sempre cem/ modos de escutar/ as maravilhas de amar./ Cem alegrias/ para cantar e compreender./ Cem mundos/ para descobrir./ Cem mundos/ para inventar./ Cem mundos/ para sonhar./ A criança /tem cem linguagens/ (e depois cem cem cem)/ mas roubaram-lhe noventa e nove./ A escola e a cultura/ lhe separam a cabeça do corpo./ Dizem-lhe:/ de pensar sem as mãos/ de fazer sem a cabeça/ de escutar e não falar/ de compreender sem alegrias/ de amar e maravilhar-se/ só na Páscoa e no Natal./ Dizem-lhe:/ de descobrir o mundo que já existe/ e de cem/ roubaram-lhe noventa e nove./ Dizem-lhe:/ o jogo e o trabalho/ a realidade e a fantasia/ a ciência e a imaginação/ o céu e a terra/ a razão e o sonho/ são coisas/ que não estão juntas./ Dizem-lhe:/ que as cem não existem/ A criança diz:/ ao contrário, as cem existem. (MALAGUZZI, 1999, s/p apud EDWARDS, GANDINI, FORMAN, 1999).


A infância é a realização e a experiência da linguagem, de se constituir e de existir na linguagem. Para o autor Kohan (2003), “[...] na infância, o ser humano se constitui como sujeito na linguagem e pela linguagem. Na medida em que o ser humano não chega ao mundo já falando, a in-fância [como in-fans] é ausência e busca de linguagem [...]” (KOHAN, 2003, p.242). Como aponta a autora Faria (1999), as linguagens e as especificidades da infância, ou ainda o fato das crianças não falarem, [...] ou não escreverem, ou não saberem fazer as coisas que os adultos fazem, transformam-nas em produtoras de uma cultura infantil, justamente por ‘estas especificidades’. Logo, a ausência, a incoerência e a precariedade características da infância, ao invés de serem [entendidas como] ‘falta’, incompletude; são exatamente a infância (FARIA, 1999, p.77).


A partir dessas novas formas de pensar e abordar as infâncias, diferindo-se das tradicionais maneiras de concebê-las, não reduzindo a capacidade de expressão das crianças somente à fala, mas buscando outras possibilidades de comunicação, para além do racional e do verbal, o encontro entre Arte e infância tem mostrado as lacunas na formação das/os professoras/es que convivem e trabalham com crianças pequenas, principalmente com as bem pequeninas e em sua constituição para além do cognitivismo reinante (FARIA; RICHTER, 2009) e da disciplinarização de corpos e mentes (SAYÃO, 2008), visto que as crianças se comunicam prioritariamente por meio de seus corpos e movimentos.

Segundo as autoras Faria e Richter (2009), o momento contemporâneo dialoga com a emergência de uma pedagogia que contemple a pequeníssima infância como sujeitos de direitos, inclusive com o direito de ser educada por profissionais diplomadas/os, que busquem, em seus cotidianos, o contíguo diálogo com as Artes, avocando uma pedagogia que não separa “[...] experiência e saber, corpo e mente, pensamento e ação no mundo” (Ibidem, p.104), preenchendo a formação lacunar de docentes da educação infantil na direção da construção de uma pedagogia da infância com base na escuta, no protagonismo das crianças e na busca por diálogos entre corpo, experiências e conhecimento.

Para tanto, o direito à educação das crianças pequenas tem-se fortalecido em um direito diferente do direito à educação obrigatória (FARIA; RICHTER, 2009), visto que o direito à educação das crianças caminha no sentido contrário ao senso pedagógico, reivindicando uma formação na qual “[...] o verbo não seja o mobilizador de ações e transformações na infância” (FARIA; RICHTER, 2009, p.105), possibilitando uma formação que dialogue com a experiência sensível do corpo, do movimento afetivo no mundo, extraindo deste o e-movere, o espanto, a interrogação e a admiração do corpo em movimento, que aprende a experienciar e a tornar-se um operador de linguagens. Ao entender que a sociedade é constantemente produzida pelos sujeitos que a compõe “[...] ao invés de receptáculos de papéis e funções, os indivíduos passam a ser vistos como atores sociais. Se antes eles eram atores no sentido de atuar em um papel, agora eles o são no sentido de atuar em sociedade recriando-a a todo momento” (COHN, 2005, p.20), criando papéis ao longo de sua existência. Como nos apontou Philippe Ariès (1981), a infância é um construto social da história do Ocidente, ou seja, o termo infância não existiu desde sempre e tem sido constantemente reelaborado.

Nesse sentido, a criança não é apenas alocada em um sistema de relações, no qual ela o reproduziria eternamente, as crianças atuam sobre a manutenção de algumas relações sociais, assim, reproduzem e produzem as culturas infantis ao interagirem com as culturas dos/as adultos/as e com as culturas da infância (aquelas que são produzidas pelas/os adultos/as para as crianças), criando e reinventando-as (PERROTTI, 1982; COHN, 2005). Para tanto, a diferença entre adultas/os e crianças não estaria centrada em uma análise quantitativa, mas qualitativa, na qual “[...] a criança não sabe menos [que os/as adultos/as], [elas] sabem outra coisa” (COHN, 2005, p.33), e elas têm autonomia cultural em relação ao/à adulto/a, produzem culturas infantis no plural, pois trazer para o singular significa um retrocesso ao negar as particularidades socioculturais, criando uma cisão entre os universos dos/as adultos/as e das crianças.


Segundo o pesquisador Florestan Fernandes (1979, p.171), primeiro a discutir sobre a sociologia da infância brasileira, a expressão “cultura infantil” seria constituída de elementos quase que exclusivos das/os pequenas/os, elementos que são partilhados da cultura do/a adulto/a, sendo incorporados por aceitação, mantidos por um tempo e integrados à cultura do novo grupo.

Assim, "[...] a apropriação e a construção da cultura pelos humanos concretizam-se na e pela interação de uns com os outros numa elaboração conjunta de significados sociais [...]" (PRADO, 1999, p.112) e culturais entre as crianças por meio de brincadeiras, além de aquisições de elementos culturais e atualizações das próprias culturas infantis (FERNANDES, 1979; PRADO, 2012, 2015).

Estas culturas reatualizam, subvertem ou reinventam comportamentos, normas, formas, expressões e expectativas expressadas não apenas verbalmente, mas por meio de outras possibilidades de manifestações do tecido social. As crianças são concebidas como atores sociais, indivíduos que compõem e modificam situações históricas, criando novas necessidades, transformando e sendo transformados neste movimento, produzindo história e sendo produzidos por ela, construindo culturas e sendo por elas constituídos (PRADO, 1999, 2011).

No artigo Experiência poética e linguagem plástica na infância, de Sandra Richter (2007), a pesquisadora busca aproximar as experiências das Artes plásticas e da infância, trazendo sua experiência como professora pesquisadora, abordando as questões da experiência não como dimensão artística, muito menos como dimensão estética, mas vinculada à dimensão poética “[...] que advém do encantamento de um corpo diante das primeiras admirações com a plasticidade do mundo [...]” (Ibidem, p.02), que propõe ao corpo infantil movimentar-se, lançar-se em imagens e aprender a decifrá-las por meio de jogos e brincadeiras. A partir da infância, a experiência poética através das diferentes linguagens plásticas (e teatrais) apontam para o ato lúdico de investigar e decifrar o mundo.

Desse modo, extraindo de nossa contingência corporal e lançando-nos em uma mundanidade compartilhada e responsável, considera-se importante os escritos da pesquisadora Sandra Richter (2007), ao dialogarem com a Pedagogia do movimento e ao aproximar experiência poética e aprendizagem das linguagens (no caso deste estudo, do Teatro), com o intuito de negar a pedagogização do sensível e a simplificação do inteligível, acolhendo o poder formativo da admiração e da alegria de um corpo aprendendo as diferentes linguagens, e o reinventar-se de maneira diversa, sábia, tornando-se humano.

Já é tempo de acreditarmos no potencial imaginativo e de compreensão de mundo das crianças, nesse sentido, considera-se importante os escritos de Sandra Richter (2006), ao dialogar com a Pedagogia no âmbito das infâncias, sendo fundamental a aproximação entre experiência2 poética, linguagens artísticas e a educação de bebês e adultas/os, com o intuito de negar a pedagogização do sensível e a simplificação do inteligível, acolhendo o poder formativo da admiração e da alegria de corpos aprendendo as diferentes linguagens, reescrevendo o vivido e aprendendo a se reinventar de maneiras semelhantes e diversas. No artigo Child’s play: A Postdramatic Theatre of Paidia for the Very Young, o autor Ben Fletcher-Watson (2013) argumentou sobre a possibilidade de haver um Teatro para bebês e este ser uma brincadeira expandida no palco, ou ainda uma forma de Teatro pós-dramático (LEHMANN, 2007) para os/as muito pequenos/as.

O artigo trouxe experiências de Artes para bebês nas quais se permite o jogo espontâneo (processo inerente ao pós-dramático) em momentos participativos específicos, ou ainda na pós-performance, com base na livre improvisação, na alegria despreocupada e na brincadeira livre da criança. Para a pesquisadora Machado (2010a), os modos de ser das crianças pequenas se aproximam da cena artística contemporânea ao buscar aproximar Arte e vida, criação cênica e Antropologia. Como professora de Teatro para crianças pequenas, a autora percebeu que as crianças são as próprias inventoras de seus faz de conta e que elas não exigem uma lógica formal, nem de si, nem dos/as que estão ao seu redor, criando seus roteiros por meio do improviso; também o tempo e o espaço não são fixos, eles devaneiam, modificam-se em chaves, nem sempre lógicas (próximas à brincadeira), e, suas narrativas teatrais aproximam-se de suas vidas cotidianas.

REFERÊNCIAS

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 1981. BECCHI, Egle. Retórica da infância. In: Perspectiva. Florianópolis/SC: UFSC/CED, NUD, n.22, agosto/dez. 1994, p.63-95. COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. FARIA, Ana Lúcia G. de. Educação pré-escolar e cultura: para uma Pedagogia da Educação Infantil. Campinas/SP: Editora da UNICAMP; São Paulo: Cortez, 1999. FARIA, Ana Lúcia G. de.; RICHTER, Sandra. Apontamentos pedagógicos sobre o papel da arte na educação da pequena infância: como a pedagogia da Educação Infantil encontra-se com a arte? Small Size Paper. Experiencing Art in Early Years: learning 3 Brincadeira de criança: um Teatro pós-dramático de Paideia para os muito pequenos. Tradução livre. 6 and development processes and artistic language, Bologna/IT: Pendragon, 2009, p.103-113. FARIA, Ana Lúcia G. de.; DEMARTINI, Zeila de B.; PRADO, Patrícia D. (orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas/SP: Autores Associados, 2009. FERNANDES, Florestan. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo: as trocinhas do Bom Retiro. Petrópolis/RJ: Vozes, 1979, p.153-187. FLETCHER-WATSON, Ben. Child’s Play: A Postdramatic Theater of Paidia for the Very Young. Staging Play, Playing Stages.Autumn, 2013, p.14-31. KOHAN, Walter. Infância e educação em Platão. Educação e Pesquisa, FEUSP, São Paulo, v.29, n.01, jan./jun, 2003, p.11-26. LARROSA, Jorge. O enigma da infância: ou o que vai do possível ao verdadeiro. In: Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte/BH: Autêntica, 2003, p.183-198. _______. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação: São Paulo, abril, n. 19, 2002. LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007. MACHADO, Marina M. A Criança é Performer. Educação e Realidade. FE-UFRGS, Porto Alegre/RS, v. 35, n. 02, maio/ago. 2010a, p.115-137. MALAGUZZI, Loris. Histórias ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: abordagem de ReggioEmilia na educação da primeira infância. Porto Alegre/RS: Artes Médicas Sul Ltda., 1999. MARTINS FILHO, Altino; PRADO, Patrícia D. (orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas/SP: Autores Associados, 2011. PERROTTI, Edmir. A criança e a produção cultural. In: ZILBERMAN, Regina (org.). A produção cultural para a criança. Porto Alegre/RS: Mercado Aberto, 1982, p.09-27. PRADO, Patrícia D. As crianças pequenininhas produzem cultura? Considerações sobre educação e cultura infantil em creche. Pro-Posições. FE-UNICAMP, Campinas/SP, v.10, n.1(28), 1999, p.110-118. _______. Educação Infantil: contrariando as idades. São Paulo: Képos, 2015. PRADO, Patrícia D.; SILVA, Adriele N. da. Educación y edades de laprimerainfancia: relaciones conel Teatro para/con bebés. IV FORO INTERNACIONAL DE INVESTIGADORES Y CRÍTICOS DE TEATRO PARA NIÑOS Y JÓVENES. Buenos Aires/AR, 2016. PROUT, Alan. The future of childhood: Towards the interdisciplinary study of children. New York: RoutlegeFalmer, 2005. RICHTER, Sandra R. S. Experiência poética e linguagem plástica na infância. Santa Cruz do Sul/RS, UNISC, GE: Educação e Arte, n. 01, p. 1-16, 2007. SAYÃO, Deborah. Cabeças e corpos, adultos e crianças: cadê o movimento e quem separou tudo isso? Revista Eletrônica de Educação. São Carlos: UFSCar, v.2, nov., 2008, p.92-105. SILVA, Adriele N. da. Teatro para bebês na interface com a Educação Infantil: um diálogo possível? Trabalho de Iniciação Científica, FEUSP, São Paulo, 2012. _______. Arte no muro: infâncias brasileiras [re]veladas? Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação), FEUSP, São Paulo, 2013. _______. Educação Infantil e Teatro para bebês: o que as professoras e artistas têm aprendido com as crianças muito pequenas? IV GRUPECI, Goiânia/GO, 2014.

30 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil