O BRINCAR DE MÃES E BEBÊS RECÉM NASCIDOS EM AMBIENTE HOSPITALAR

- Mayara Miranda Calabrez -


Os bebês muito pequenos brincam? Quando os bebês começam a brincar? Como eles brincam? Com o que eles brincam? Com quem eles brincam?

Bebês brincam!! E já começam a brincar dentro da barriga da mãe, brincam principalmente com o movimento do corpo, experimentando as sensações do corpo, através do empurrar com o pé a barriga da mãe, agarrar o cordão umbilical, dar piruetas dentro da barriga, todas essas são experiências sensoriais que o bebê adquire ainda na gestação, e por que não pode ser considerada brincadeira, não é mesmo?

Minha trajetória profissional e pessoal, me aproximou do cuidado com bebês, e através desse contato pude ver o que eles precisam para poder desenvolver suas habilidades através do brincar, e o quanto o brincar é importante dentro de um contexto hospitalar, um contexto de internação, muitas vezes prolongada. Vou trazer alguns fatos para pensarmos sobre o brincar com os bebês internados.

Quando falamos de bebês muito pequenos, prematuros ou que estão com alguma doença, e se encontram em situação de internação, pensamos o quão vulneráveis aqueles pequenos estão pela situação, pelos procedimentos necessários, porém dolorosos e estressantes, pela quebra de rotinas. E o que nesse momento delicado poderia dar ao bebê conforto e segurança? Principalmente, a mãe do bebê. Quando falamos de internação de um bebê, falamos do duo mãe-bebê. E por que estou falando da mãe do bebê? Pois o bebê e a mãe, nesse início da vida são um mesmo ser.

De acordo com Winnicott, do ponto de vista do bebê, nada existe além dele próprio, e portanto a mãe é, inicialmente, parte dele. Portanto, a presença das mães, principalmente, nesse período de fragilidade do bebê, dá segurança à ele, e é através da mãe que muitas brincadeiras se darão durante a internação. E de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a criança tem direito da presença e permanência de um dos pais ou responsáveis nos casos de internação hospitalar.

Apesar dos bebês estarem em situação delicada na internação, o brincar se faz necessário. E como é esse brincar? Quais possibilidades de um ambiente seguro e saudável para o bebê internado? Normalmente, o bebê internado em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, encontra-se monitorizado, em incubadora, por vezes em uso de oxigenioterapia. Esse ambiente, por necessidade, apresenta diversos ruídos de intensidades diferentes, além de luminosidade intensa para realização dos procedimentos.

Portanto, a primeira intervenção para pensarmos em um ambiente mais saudável para o brincar, é a organização do ambiente, minimizando os ruídos sonoros, diminuindo a luminosidade que adentra a incubadora, colocando tecidos escuros sobre elas, a utilização de ninhos que trarão conforto ao bebê. E então após o bebê estar minimamente protegido de estímulos inadequados, podemos pensar no brincar.

E a mãe? Entra em qual momento na brincadeira? Sempre as oriento que todo toque, toda conversa, toda música e estímulo é brincar. As mães ficam encantadas de perceberem que seus bebês nesse momento de fragilidade são capazes de brincar. Fortaleço que a brincadeira faz parte do tratamento do bebê, e elas adoram proporcionar esses momentos a seus filhos. Isso mostra que apesar do ambiente hospitalar, muitas vezes frio e focado na doença, o brincar traz o saudável.

Partindo do bebê, podemos observar as brincadeiras com o próprio corpo. Costumamos ver os bebês sugando os dedos, apoiando os calcanhares e empurrando, observando o ambiente com os olhos, observando a própria mão. Tudo isso é brincadeira que o bebê experiencia de maneira ativa.

Podemos também posicionar móbiles em seus leitos, os bebês adoram perceber a movimentação dos objetos do móbile. E bebês pequenos se atraem para cores com contraste e com padrões. Então é importante ofertarmos esse tipo de estímulo. Sempre pensando nas habilidades que o bebê é capaz de realizar dependendo da sua fase de desenvolvimento.

Algumas mães têm dificuldades de iniciar o brincar, então um possibilidade de facilitar esse início, é pensar com as mães as músicas que elas cantavam para os bebês enquanto estavam grávidas, quais músicas e cantigas elas se lembram de quando eram crianças, quais brincadeiras faziam, e sempre vem à tona a reflexão sobre o quanto brincamos a maior parte do tempo com os bebês, de maneira intuitiva, e sequer nos damos conta disso. Falar com leveza sobre o brincar, sobre nossas brincadeiras favoritas, sobre as músicas que lembramos da nossa infância são um facilitador para as mães começarem a brincar mais efetivamente com seus bebês internados.

A confecção dos móbiles pelas mães, também é algo que motiva elas, pois elas que estão construindo o primeiro brinquedo dos bebês, e é lindo de ver o encantamento delas. O brincar no ambiente de UTI neonatal se dá de maneira espontânea pelo bebê e também através da interação com a mãe e profissionais que os atendem, e sem dúvida melhoram o quadro de saúde do bebê.

E acredito que quando o brincar é visto desde o começo da vida como algo que faz parte do desenvolvimento saudável, damos mais valor e possibilitamos à esse bebê e essa criança ambientes e espaços favoráveis ao brincar.

93 visualizações

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

Contate-nos: +55 11 3255-4563 * contato@ipabrasil.org

                      Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

                      Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil