O BRINCAR, IMPLICAÇÕES E SEU LUGAR NA SOCIEDADE.

- Sara Caroline da Silva -


“É no brincar, e talvez apenas no brincar, que fruem sua liberdade de criação.”

(Winnicott, 1975.)




O ato de brincar é fundamental no desenvolvimento humano. Brincar no dicionário Aurélio está relacionado à diversão, a entretenimento infantil, gracejos e até atos levianos e de pouca consideração. Diferente desses significados ou indo além, a brincadeira na infância não é uma mera distração, é um instrumento essencial para o desenvolvimento cognitivo, para a aprendizagem, onde os sinais, a fala e atitudes denotam afetividade e as mais diversas emoções.

É na infância que descobrimos coisas novas, entrando em contato com o mundo e os indivíduos que nos cercam. O brincar, nas suas mais diversas formas e modalidades, ampara o desenvolvimento infantil de modo a auxiliar à criança na inserção enquanto sujeito social e se integrar nas realidades do “mundo adulto”, fazendo com que a criança crie, participe e tome parte das realidades que a cerca, como brincadeira de “faz-de-conta


Embora, as brincadeiras, muitas vezes reproduzam de algum modo à realidade ou imitam o cotidiano adulto, como profissões e tarefas domésticas, elas podem e devem envolver uma dose de imaginação. O brincar de casinha, de policia- e- ladrão, por exemplo, está sujeito as normas estabelecidas pela criança, que recria e adapta essas situações para o “seu mundo”, onde a casa pode ser mágica, e a policia é amiga do bandido. Da mesma forma que a função pré- estabelecida de alguns brinquedos, podem vir a ser modificados, transformando, por exemplo, um carro em foguete. O modo na qual os pequenos utilizam os brinquedos pode desviar-se, portanto das normas convencionais, já que a criança visa antes da cópia fiel das atividades adultas, construir e recriar um mundo onde seu espaço esteja garantido. Segundo Vygotsky (1998) a concepção de uma situação imaginária não é algo casual na vida da criança; é na verdade a primeira manifestação da emancipação da criança em relação ao que ele chama de restrições situacionais. (VYGOTSKY, 1998, p. 130)

As brincadeiras não se atêm apenas ao faz- de-conta e podem ocorrer entorno de assuntos fictícios, contos e personagens, mas que nunca são puramente imaginativos, já que o brincar é fruto também do meio social da qual se está inserido. Assim, independente do quão “longe vá à imaginação”, ela sempre conterá traços dos processos vividos pela criança, núcleo familiar e social: o super- herói pode gostar de determinada comida, hobbies, cores e ter determinados comportamentos que estão associados aos gostos da própria criança ou ao que ela costuma vivenciar. De modo que não podemos dissociar a brincadeira da vivencia particular do sujeito que a prática:


“Nenhuma criança brinca só para passar o tempo, sua escolha é motivada por processos íntimos, desejos, problemas, ansiedades. O que está acontecendo com a mente da criança determina suas atividades lúdicas; brincar é sua linguagem secreta, que devemos respeitar mesmo se não a entendemos.” (GARDNEI apud FERREIRA; MISSE; BONADIO, 2004)


O brincar instiga a criança em várias dimensões, principalmente no cunho comportamental, psicológico e físico, ensinando regras de convivência, aumenta a dose de criatividade, auxiliando no desenvolvimento do individuo e na aprendizagem.

De tão importante e inerente à natureza humana, a brincadeira é naturalmente assegurada e se estende a todos os indivíduos.

Esse direito básico é atualmente protegido por lei, justamente por não atingir todas as parcelas da população, precisou ser regulamentado. No Brasil, é o Estatuto da Criança e do Adolescente que assegura aos pequenos, desde 1990, o direito a brincar, praticar esportes e se divertir, ou seja, assegura que se possa passar a infância de modo a crescer e aprender saudavelmente. Entretanto, apenas um papel não consegue de fato, garantir que não haverá crianças trabalhando em situações análogas a escravidão, não consegue extinguir os 2,7 milhões de postos em trabalhos infantis catalogados em 2016 pela Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios, ou modificar a situação de miséria que muitas crianças se encontram, resultando na necessidade de “adultização” precoce e preocupações que não deveriam afligir certas idades. Não se pretende desvalorizar tal estatuto, só ponderar que apenas a lei não basta, que ela deve vir acompanhada de outras leis e medidas protetivas que perpassam, por exemplo, no âmbito econômico.

Em outro cenário, porém indo ao encontro das dificuldades sobre o brincar, notamos uma sociedade que parece entender a brincadeira como inerente a infância, ao mesmo tempo que não a vê como um fator absolutamente necessário ou de extrema importância. Os pais restringem o espaço e a hora. A própria escola, os espaços exteriores, a cidade, os prédios, as pessoas... Acompanham tudo e julgam aquelas crianças, que ousam brincar em espaços e horas que não são considerados corretos e aceitos socialmente.

A própria escola, se coloca como “espaço para aprender e não para brincar”, como se um, fosse dissociado do outro. Logo ela, que pode ser uma das maiores aliadas na compreensão das disciplinas, que pode ensinar o individuo a ser mais compreensível e altruísta.

O que também não significa que devemos ver a brincadeira apenas funcionalmente, ela se basta. Poderia ser vista também, como aliada na recuperação de doenças e deficiências, mas é colocada por vezes, como imprópria para hospitais. Espaços culturais, museus, bibliotecas e exposições, não a consideram adequada entre suas estantes. Os pais abarrotam a agenda dos pequenos com “mil e uma atividades” extremamente práticas, que “servirão para o futuro”, sem pensar que esse “futuro” depende do desenvolvimento proporcionado pelo brincar.


Bibliografia


FERREIRA, Carolina; MISSE, Cristina; BONADIO, Sueli. Brincar na educação infantil é coisa séria. Akrópolis, Umuarama, v. 12, n. 4, p. 222-223, out./dez. 2004.

MELO, Luciana; VALLE, Elizabeth. O brinquedo e o brincar no desenvolvimento infantil. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 23, n. 40, p. 43-48, jan./mar. 2005.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

QUEIROZ, Norma; MACIEL, Diva; BRANCO, Ângela. Brincadeira e desenvolvimento infantil: um olhar sociocultural construtivista. Paidéia, 2006, 16(34), 169-179.

ROLIM, Amanda; GUERRA, Siena; TASSIGNY, Mônica. Uma leitura de Vygotsky sobre o brincar na aprendizagem e no desenvolvimento infantil. Rev. Humanidades, Fortaleza, v. 23, n. 2, p. 176-180, jul./dez. 2008.

VYGOTSKY, L. (1984). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

VYGOTSKY, L. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

WINNICOTT. D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro. Imago, 1975.

2,7 milhões. Esse é o número de crianças que trabalham no Brasil. Revista Exame. Talita Abrantes , 25 nov 2017. http://exame.abril.com.br/brasil/27-milhoes-esse-e-o-numero-de-criancas-que-trabalham-no-brasil/


72 visualizações

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

Contate-nos: +55 11 3255-4563 * contato@ipabrasil.org

                      Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

                      Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil