Buscar

Pelo avesso

- Bêlit Lua Alencar -


Procuro sozinha meditar sobre “qual o intuito de existir um agente do brincar?”. Primeiro, fico pensando no brincar; que sentido dar a esse verbo? Qual a natureza dessa ação? De súbito, me saltam os conceitos de mímese e leviandade. Porém, tão logo quanto encontro essas duas definições, já posso problematizá-las.

Passeios os olhos pela sala e vejo minha gata “caçando” uma pelúcia pela centésima vez. Ora, não preciso dar a ela um estatuto racional para ver que ela não está “caçando” verdadeiramente. Ela joga para um lado, para outro, chuta e morde despreocupadamente, “imitando” o que seria uma caça pra valer. No entanto, a mimese é uma particularidade antropológica. Ela não imitará a mim, nem a outros seres, ela age conforme a sua natureza sem a pretensão de fazer igual a qualquer coisa. Nós, humanos, todavia, aprendemos nesse processo de imitar. Então, observo que nós fazemos mímese – em uma brincadeira qualquer em que há, por exemplo, o papel da mãe ou do pai - enquanto minha gata não, mas de qualquer forma ela brinca. A brincadeira é algo instintivo e natural, gostaria de apontar. Ainda é cedo para afirmar. Aqui fica só a observação de que ela não necessariamente é um ato mimético, e que está no seio da espontaneidade.


Em segundo lugar, penso na leviandade. O lugar de despreocupação, da falta de seriedade. Ainda que esse seja um ponto forte ao senso comum do que é uma brincadeira, não posso deixar de negar em seu fundamento. Pois não há, no que pude aprender e experimentar, um brincar sem regras – ainda que mínimas. Em uma brincadeira se instaura um lugar com regras próprias, é claro, divergente do que está dado. Até mesmo o jogo mais livre, se fundamenta em um pressuposto. Portanto, o brincante não está leviano àquilo que se propôs. Ouso dizer que a brincadeira é ainda mais profícua quanto melhor se entende a regra e vive ela. Assim, fico com uma conclusão de que o brincar está entre algo que eu posso chamar de jogo espontâneo. Uma vez que é uma ação que pressupõe uma regra e se desenvolve sem alguma relação de igualdade (fidelidade) com o mundo exterior.

Então, resta a pergunta: qual o intuito de existir um agente do brincar? Por que esse jogo espontâneo requer alguém que o promova? Na Grécia antiga, a sociedade ateniense atentou que as crianças realizam essa ação e que isso era muito importante para elas. Platão quis a partir dessa constatação prescrever que o brincar deveria ser direcionado. Assim o pedagogo (o escravo que encaminhava as crianças ao ginásio) deve ter se responsabilizado para orientar suas crianças e, com essa responsabilidade, se especializou – pois, não se deixa a deliberação de qualquer escravo a diretriz de uma ação muito importante, que é a brincadeira. O resto é história de como a pedagogia se desenvolveu como método de aprendizagem e não nos cabe discutir nesse momento.

O que quero chamar a atenção é de que um direcionamento para um jogo espontâneo é uma amputação do próprio jogo espontâneo. Por melhor que sejam as intenções de uma criação de sociedade e instrumentalizar esse feito, não é esse o interesse. Um agente do brincar não poderia ser platônico ao ponto de querer influenciar no brincar, e tomar esse ato como algo que deve ser direcionado.

Nesse momento, encontro meu motor e fundamento: o jogo espontâneo como uma ação irruptiva. Sem precedentes. Uma rachadura num terreno dado. É fácil observar que estamos em um terreno minado, a sociedade tem leis e ordens pré-estabelecidas que nem sempre vão de encontro ao bem comum. Vivemos em mundo em que a ordem é o capital. O capital é a regra, é o que está dado. O que está posto responde a uma hierarquia que o favorece. Tempos atrás a ordem poderia ser a militar (como a Grécia antiga) ou a religiosa (como a Europa feudal) – há sempre um conjunto ordenado que nos impõe um estilo de sentir e viver a vida.


Em contrapartida, há o brincar. Uma ação que vira as costas ao que está posto e traz em si uma fórmula nova. Claro que a ação se fixa em um lugar do tempo, no entanto, a experiência a gente carrega consigo. A experiência de uma regra nova, de uma racionalidade nova, de uma comunhão nova, de um sentir novo, o ser humano guarda. O mundo é um campo minado pelo capital e isso é um fato, mas não uma necessidade.

Por isso o agente do brincar deve existir: criar lampejos de uma vivência outra. Por isso estamos juntos com as crianças (que ainda não estão suficientemente contaminadas com a vivência hegemônica ocidentalizada que o capital nos reserva). Contudo, se quisermos propagar um momento revolucionário, não podemos nos esquecer dos adultos. Também eles brincam, e, sobretudo eles precisam de uma irrupção em seu cotidiano.

É pelo avesso da lógica imposta que devem existir agentes do brincar.

0 visualização

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil