Buscar

O CHAPELEIRO MALUCO: A ADOLESCÊNCIA E O BRINCAR

- Rita de Cássia Aparecida dos Santos Freitas -


O que eu tinha? O que eu acreditava?O que eu queria fazer do mundo? Inicio este Artigo, com inquietações pessoais e felizes, despertadas por um trabalho proposto pela professora Priscila Leonel: “O resgate de minhas historias sobre o brincar”, revivi minha infância e adolescência , sonhos rascunhados e concretizados , finalizados com a outra proposta de atividade, feita por ela: “O Museu do aluno” , a minha historia, escrita por mim, quem sonhei ser, quem eu sou, onde quero ir.


De acordo com SEBASTIAN, 2009, “O desenvolvimento integral da pessoa humana,....aprender a ser...espirito e corpo... inteligência, sensibilidade, responsabilidade , espiritualidade.”(Pag. 205), nos leva a acreditar que não basta saber onde ir, mas sim porque estamos indo, nossa imaginação e sonhos nos leva a ir, e nossas andanças, são sociais e coletivas.


O pesquisar, repensar, fazer a releitura sobre a criança, seu desenvolvimento pelo brincar, me conduziram a refletir sobre um outro individuo , o adolescente , o qual alguns chamam de “aborrecente”, aqueles que ficam nos espaços ociosos, de praças, quadras de esportes, esquinas e calçadas ,contando historias que não são deles, nem sobre eles. Porque viver a historia do outro? Quiça não tiveram oportunidades de sonhar sua própria historia,grandes idéias,grandes ações? E nem terão oportunidade de vivê-la?


O brincar nos remete as nossas experiência vividas e sonhadas, a interação com o outro nos faz construir novas experiências com uma boa pitada de empatia. Em uma sociedade capitalista , esta mesma descrita pelo grupo musical Engenheiros do Hawaii Somos quem PODEMOS ser : (Um dia me disseram que as nuvens não eram de algodão...a vida imita um vídeo...somos quem podemos ser , sonhos que podemos ter.” )A pergunta que surge: para esse adolescente de hoje houve uma infância de brincar? Foi oportunizado, o encantamento, imaginação, criatividade?Como ocorre a transição do não ser CRIANÇA nem SER ADULTO?


A minha proposta de pensarmos o brincar na adolescência vem como uma necessidade sociológica, para que este individuo ganhe voz, a voz interna da criatividade, imaginação, e da empatia. Já que o que nos humaniza e move são sonhos, a criatividade , a cumplicidade com o outro, como resgatar no adolescente esta infância que lhes foi tirada? Junto com sua esperança. Os sonhos são desconstruído por uma sociedade , que exclui desde a infância, com a pobreza, diferenças sociais, racismo, o analfabetismo, não permite o aprender a viver com o outro, com tolerância, com a experiência coletiva, junta-os como tribos , e não como humanidade.


Presos em uma liberdade “ permitida” e não conquistada.Todos os dias são os mesmos nada acontece, a não ser o que é permitido, e não sonhado, não pela falta de competência , mas pelo encarceramento da criatividade e das novas idéias . O novo Movimento Cultural dos Bailes Funk’s, além dos pseudos acertos de grupos rivais, ele pula dança, se embriaga, entorpece,se arrisca com a velocidade, os malabarismos na direção de veículos, sendo esta é sua forma de comunicação emocional, a linguagem do corporal, como se só existisse o hoje, o agora.

O trabalho de Til Gil, em “ Crianças no espaço publico ativadoras da comunidade.”, retrata e ratifica esta competência da capacidade de imaginar, sonhar, e mudar, baseado no pertencimento e responsabilidade, com o espaço publico, com sua comunidade , com o mundo, consigo mesmo, pela educação, cultura artes e geografia. O projeto Curumim do SESC-SP, desde 1987 através de encontros semanais , passeios culturais, brincadeiras antigas, teatro, musica, vem desenvolvendo neste adolescente, autonomia, afetividade, senso critico e respeito ao próximo, saberes e contextos baseados em valores que cultivam uma cultura de paz, cidadania e democracia.Descobrir e questionar o mundo, superar desafios, interagir nas resoluções de problemas e conflitos, foi o que buscamos, e é o que eles buscam, ser visto,ser ouvido como parte da sociedade.

A identidade adulta em conflito , entender e aprender a lidar com o mundo, Mara Sampaio , ressalta a necessidade de ousadia,criatividade, do encontro com o que penso e o que gosto .


O brincar entra como uma experiência de convívio, conhecimento de si, comportamento, comunicação, reconhecimento de valores e limitações, imaginar, sonhar. Mas como sonhar em mundo de uma cultura massificada (LIBANIO, 2001), onde as janelas da verdade, do bem e da ética, encontram-se fechadas. A ocupação dos espaços públicos através das brincadeiras, que narram o mundo , como os filhos de Arnaldo Godói, através da humanidade, seria uma possibilidade?

A ideia de um “Jardim de Waldorf”, com brincadeiras antigas de rua ,coletivas e lúdicas , encontrar o “eu cósmico “ corpo e natureza, baseado em um olhar intelectual, coletivo, empreendedor, alicerçado no respeito, tolerância, e escuta do outro, seria uma luz no fim do túnel, ou a toca do coelho. Quebrar o circulo vicioso desta “osmose social”, do adolescente ser o que o “mundo” os permite ser é o desafio lançado por este artigo.


O artigo de PEREIRA, Eugenio T. “Brincar na Adolescência uma aventura no Espaço Escolar”, nos revela que é possível através do brincar , que nossos jovens mudem o curso de suas vidas para um futuro melhor. O Projeto Pandalêle, e realizado extra classe com alunos do 6º Ano ate os anos finais do Ensino Básico , desenvolvido em escolas Estaduais de Minas Gerais em parceria com a Faculdade de Educação da UFMG , 2000, na modalidade de bolsas de extensão, produção de cartilhas, textos, brinquedos cantados, programas de computadores, encontros, seminários, congressos,cantigas de roda, jogos coletivos, de tabuleiros. O processo de investigação, observação , analise , descrito e registrado pelos Agentes Brincantes, mostrou que as atividades de colaboração constroem laços de amizades, que ultrapassam os muros escolares, o próprio relato dos jovens ratifica que brincar os fazem fugir dos problemas , dar um tempo, ajuda a relacionar-se melhor com os outros.


Alicerçados no respeito, evolução e autoconfiança, confirmou que o ato de brincar através de uma decisão interna, atinge dimensões psicológicas e sociológicas, pela descoberta da recriação, da atitude lúdica, formação da identidade, diversão, destreza , quanto ao risco , desafio, confronto , confirmação do poder que atraem o adolescente, e suprido nas brincadeiras e jogos.


Os maiores obstáculos são : a vergonha e criticas , com a relação aos outros colegas, por não querer ser rotulado de “criança” pois ainda vinculam que brincar e restrito ao publico infantil, discurso da própria sociedade. Para quebrar este paradigma , a estratégia usada foi o protagonismo juvenil, as lideranças adolescentes, e um mediador adulto que construiu um espaço de confiança e autonomia. Ao sentir-se responsável pelo processo social , cultural, o jovem se sente parte da construção , apropriação, do resgate da sociedade e da cultura de paz, segundo PEREIRA,Eugenio:



”O Pandalele, através de jogos, brincadeiras,

musica... e um caminho que o adolescente pode e

deve usar para a buscar o significado da vida...a

passagem para a vida adulta fica mais gostosa e

tranqüila...para a formação de uma população mais

feliz...”(Pag 45)

Conclusão



Esta leitura me levou a uns 50 anos atrás, depois a 40 anos , há 23 anos , e finalmente há três meses, me reportou a leituras, antigas e atuais. Internamente me recuso a ver o brincar apenas como um objeto de aprendizagem, e sim como um modificador que “pinica” o cérebro e o coração, como definiu HERRERA, um objeto de desenvolvimento sócio emocional, de prevenção e tratamento contra a violência , do sofrimento, despertando o sentido de grupo, família, comunidade.


Os pais, quando brincam com os filhos reportam a infância , constroem vinculo, parceria,“ambos olham para si, e se gostam do que veem. “(Camila Cross). Pode ser “ piegas” , mas e real O BRINCAR CONSTROE conhecimento, aprendizado, interações sociais, solidifica relações ,e mostra o caminho para conhecermos o mundo e a nós mesmos, mudand o cérebro de todos que brincam.

Agradecimentos


“Ao homem que se não tivesse sonhado ser um pássaro na infância, jamais teria construindo um Boeing.” (SEBASTIANI, pag.50)

BIBLIOGRAFIA


LIVROS:

DRUON ,MAURICIO. O MENINO DO DEDO VERDE, 1980

EXUPERY, ANTOINE DE S. “ O PEQUENO PRINCIPE”,1982

PINTO, ZIRALDO A. O MENINO MALUQUNHO.1983,UMA PROFESSORA MALUQUINHA.2010

DAMAZIO, REINALDO LUIZ .”Livro o que é criança”. EDITORA BRAZILIENSE.


FILMES:

“JANELA DA ALMA – JOAO JARDIM E WALTER CARVALHO

SEBASTIANI, MARCIA T. “CULTURA DA INFÂNCIA


VIDEO:

BRINCAR LIVRE NO JARDIM WALDORF NO BRASIL

O VICIO TECNOLOGICO

BRINCAR FAZ AS CRIANÇAS IGUAIS – FISIOVITAL- DAFNE HERRERO

LIVE FABIO COSTA CONTADOR DE HISTORIAS


DOCUMENTARIO:

MARIA MONTESSORI


MASTERCLASS III-

ATITUDE EMPREENDEDORA DESCUBRA COM ALICE SEUS PAIS DAS MARAVILHAS

MUSICA : GESSINGER,HUMBERTO. SOMOS QUEM PODEMOS SER , ENGENHEIROS DO HAVAII.


https://m.letras.mus.br 28/05/2020 09:55

ARTIGO:

PEREIRA, EUGENIO T. -Repositório.ufmg.brQ1843/FAEC-85ZHLC/1/1000000337.PDF.-

Projeto Pandalele.brinquedos.encantados.eba.ufmg.br , 15/07/2020 11:45

32 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil