Buscar

PRETÉRITO PERFEITO

- GUILHERME PEREIRA ARROCETO -



Diante de tantas restrições morais, sociais ou religiosas, as pessoas de todos os cantos do mundo, principalmente de povos que deram origem à nossa nação (o indígena, o africano, o europeu), como de outras terras longínquas, as pessoas jamais deixaram de BRINCAR e foi através dela que grande parte das especificidades culturais foi transmitida para as gerações seguintes e conservadas até os dias de hoje.

Hoje em dia, é bastante comum nos depararmos com crianças que infelizmente não estão vivendo esse momento de interação, as brincadeiras tradicionais estão entrando em extinção. Num mundo cada vez mais globalizado , urbanizado, industrializado e informatizado, a tendência é que muitas brincadeiras tradicionais percam espaços nas preferências infantis.

Como antes dos anos 70, 80 e até mesmo 90, não existia o mundo na conexão digital (como as televisões, computadores, e os iPads), a socialização das crianças, jovens e adultos, aconteciam na rua. Local onde trocavam informações , entravam em conflitos, resolviam conflitos, se machucavam , riam , choravam, gritavam, brigavam, aprontavam, criavam, imaginavam,se respeitavam, ou seja , viviam a vida de uma forma muito intensa e saudável.

As brincadeiras tradicionais eram muito divertidas e aconteciam não somente na rua, como no jardim, quintal da casa , até mesmo dentro de casa, não tinha um lugar específico ou estratégico , qualquer espaço era possível criar algo para poder se divertir e entreter.

Foram diversas brincadeiras que marcaram minha infância e acredito que de muitos, as que mais me recordo foram: Taco, Queimada, Bricadeiras de cantigas de roda... São essas e outras muitas brincadeiras que me fez ser uma criança muito realizada, sonhadora, levada e criativa, razão pela qual acredito que me levou a exercer uma formação acadêmica muito importante na sociedade em que vivemos, a missão de ser um PROFESSOR. Como PAULO FREIRE, arte- educador, professor e filósofo brasileiro, nos ensina sobre a arte de ensinar...

Ao longo processo de minha formação em Letras, durante o curso ouvi diversos profissionais relatarem o quanto é difícil e cansativo exercer a profissão na real situação crítica que se encontra o nível educacional do nosso país. Porém, sempre acreditei e acredito que tudo tem uma solução basta confiarmos e fazermos a diferença.

Anteriormente, os professores eram entendidos como transmissores de conhecimento, detentores da verdade, e os laços entre alunos e professores quase não existiam. Os alunos não podiam expor, ter expressão e nem opinião, muitos deles eram até mesmo apelidados e muito menos podiam questionar se a metodologia utilizada era adequada.

Com o passar dos anos, a maneira como os professores atua mudou muito, estabeleceram laços mais fortes, com um mundo de informações as crianças já sabem muito e que podem partilhar vivências e experiências, saberes e gostos, ou seja, podemos trocar aprendizados e um aprende com o outro.

A todo momento o ser humano está em comunicação com outros seres, o mundo vive em comunicação e para participarmos desse mundo onde as informações circulam intensamente é necessário nos estejamos antenados nesse novo mundo de informações e tecnologias, para que possamos compreender e interagir em meio a sociedade em que vivemos. Tornando-se assim instrumento de ensino e aprendizagem. O aumento dos saberes, permite compreender melhor o ambiente sob seus diversos aspectos, como favorece o despertar da curiosidade intelectual, estimular o ensino crítico , permitir compreender o real, mediante a aquisição de autonomia e a capacidade de discernir.

Assim nessa concepção em relação ao ensinar, me fez e faz refletir sobre o que Leo Fraiman questionou em seu livro “Como ensinar bem a criança e adolescentes de hoje”. Como se faz ministrar uma boa aula? O que fazer para cativar a atenção dos alunos? De que modo posso me distanciar daqueles professores excessivamente críticos, desinteressados ou mal-humorados que tive e ser uma presença inspirador apara os meus alunos? Como posso ensinar bem? Nessa perspectiva, é arbitrário utilizarmos uma visão tradicionalista em que o aluno apenas aprenda com textos, uma vez que a socialização com o outro é a ponte para a transformação da informação contida no texto para assimilação do conhecimento.


Sendo assim, já não há mais espaços para certeiras enfileiradas, salas silenciosas e livros solitários sob a mesa, pois os mesmos devem ser substituídos pela interação pessoal, em que os pares interajam em torno de um objetivo comum. Diante dessas definições, o professor deve buscar o desenvolvimento de um conjunto de habilidades, que permita ao aluno fazer uso eficiente de suas capacidades. Com base em tal afirmação, e após de diversas praticas e didáticas diferenciadas , enfatiza-se que o BRINCAR (lúdico) em sala de aula é de suma importância.

É importante que a escola seja um espaço rico e estimulante de aprendizagens, que nela haja a presença do lúdico, onde o professor seja o mediador entre o aluno e o conhecimento, auxiliando o alunos a desenvolver imaginação, autonomia, conviver com as diferenças, a desenvolver os aspectos : físico, emocional, cognitivo e social. Proporcionando assim oportunidades para os alunos brincarem livremente, construindo relacionamentos positivos.

157 visualizações1 comentário

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil