Buscar

O BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Atualizado: 9 de Dez de 2020

- Tamara de Assis Lima Lourenço -



O brincar na Educação Infantil deve ser levado a sério, pela equipe gestora, professores e pais/responsáveis. Além de ser um direito da criança, constituiu-se numa ferramenta facilitadora para a aprendizagem integral da criança. Nossas crianças podem brincar entre crianças da mesma faixa etária ou de faixas etárias diferentes, com adultos como: pai, mãe, avó, avô, tios ou com qualquer pessoa do seu convívio social. Essas interações promovem a construção da identidade infantil e favorecem o desenvolvimento.


A cada dia que passa nossas crianças tem ficado mais tempo em unidades de ensino. O que os documentos norteadores da Educação Infantil falam sobre o brincar? De que forma podemos brincar nesses ambientes? Como o brincar pode favorecer um desenvolvimento integral e saudável?



Durante o período que exerci o cargo de professora em uma Instituição de Educação Infantil não compreendia o brincar e nem tinha conhecimento sobre a sua importância no processo do desenvolvimento infantil. Aplicava as brincadeiras como forma de passar o tempo quando não tinha outra atividade programada .Eu enxergava a brincadeira como um prêmio para o bom comportamento e como um momento para entreter as crianças enquanto eu realizava outras tarefas como, relatórios e organizava outras coisas na sala. Com o tempo fui chamada para compor a equipe gestora nessa mesma instituição. Então vi a necessidade de me aprofundar em alguns temas .O brincar foi um deles, minha concepção sobre o brincar mudou e comecei a ter um novo olhar para o brincar na Educação Infantil. Comecei a observar mais as professoras e pude concluir que as brincadeiras e o ato de brincar estava inserido nesse ambiente, mas não da forma que deveria estar.


O brincar era para o momento de distração ou somente liberado na hora do parque, faltava tempo, espaço e materiais para a promoção do brincar. Gerando ansiedade e agitação nas crianças. Reuniões e cursos realizados na Diretoria de Ensino me auxiliaram muito. Documentos norteadores foram criados e outros incluíram o brincar , trazendo base para uma Educação Infantil voltada para a criança e o brincar.


Mesmo com tantas pesquisas e estudiosos que falam sobre o brincar e nos traz riquíssimas aprendizagens ,ainda falta muito para que as escolas ofereçam um brincar de qualidade para as nossas crianças. O Referencial Curricular para a Educação Infantil entende a brincadeira como uma linguagem infantil. Na brincadeira as crianças assumem papeis e ressignificam experiências vividas no seu cotidiano.



No ato de brincar os sinais, os gestos, os objetos e os espaços valem e significam outra coisa daquilo que aparentam ser. Ao brincar as crianças recriam e repensam os acontecimentos que lhe deram origem (RCNEI 1988, pág 27)

Já nas Diretrizes Curriculares o direito a brincadeira entra como objetivo da proposta pedagógica das instituições de educação infantil. Tendo assim as interações e as brincadeiras como eixos estruturantes das práticas pedagógicas.


A Base Nacional Comum Curricular coloca o brincar como um dos seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento. Todos esses documentos compreendem que o brincar deve fazer parte da vida das crianças dento das Unidades de Ensino. Estabelecendo assim condições para um desenvolvimento físico, intelectual, emocional e social.


As Unidades de Educação Infantil devem propiciar às crianças momentos de interação, seja com crianças, adultos ou materialidades. Oferecendo a possibilidade de um brincar rico e prazeroso. O Currículo da Cidade revela a brincadeira como diferentes ações das crianças que envolve o lúdico. Toda rotina escolar pode ser transformada numa brincadeira, todo ambiente escolar deve ser pensado e estruturado para o brincar. Referente aos espaços, o Currículo da Cidade nos revela:

Em quais espaços e durante quanto tempo os bebês e crianças brincam? Em todos os espaços e com o que eles contêm. Por isso é importante oferecer às crianças ocasiões para explorar e experimenta diferentes possibilidades e modos de interpretar os espaços, os mobiliários e os materiais. (2019,pág 97)

Sendo assim, o ambiente escolar pode oferecer as crianças diversas experiências e diferentes tipos de brincar/brincadeira. Temos brincadeiras de movimento, tradicionais, as que envolvem fala, faz de conta e as que envolvem papéis sociais.


Quando falamos sobre o desenvolvimento integral da criança, colocamos em pauta os aspectos: físico-motor, intelectual, afetivo-emocional e social. A brincadeira tem o poder de englobar todos esses aspectos. Tornando-se um veículo que leva a criança ao desenvolvimento. O ato de brincar cria vínculos afetivos, produz troca de experiências, leva a criança a pensar, imaginar, recriar, a conhecer o seu corpo, a desenvolver linguagens, a expressar sentimentos, aguça os 5 sentidos, coloca a cultura local em evidência e por fim traz alegria e esperança. Não tem como não pensar no brincar como um meio de viver a vida de forma saudável e feliz. Voltando um pouco a falar sobre o criança e a escola, nos tempos atuais, as crianças têm frequentado cada vez mais cedo as escolas e o tempo de permanência tem aumentado. Deixando uma responsabilidade muito grande sobre os ombros dos educadores.


Cabe a nós apresentarmos o brincar e seus benefícios para as crianças, pais/responsáveis. Sabendo que para um desenvolvimento saudável é necessário um brincar de qualidade. Segundo o Manual de Orientação Pedagógica: Brinquedos e brincadeiras de creches. A introdução de brinquedos e brincadeiras na creche depende de condições prévias como :aceitação do brincar como direito da criança; compreensão da importância de brincar para a criança, vista como um ser que precisa de atenção, carinho, que tem iniciativas, saberes, interesses e necessidades; criação de ambientes educativos especialmente planejado que ofereçam oportunidades de qualidade para brincadeiras e interações e desenvolvimento da dimensão brincalhona da professora.


Conclusão



Levando-se em conta o que foi mencionado, entendemos que o brincar/brincadeira é citado nos documentos norteadores para a Educação Infantil e é compreendido como direito da criança e deve ser praticado em todos os ambientes das Unidades. Mas compreendemos que a escola deve se esforçar para que o brincar seja praticado e entendido por todos como fundamental para a vida das crianças. O brincar também é necessário entre pais ,filhos ,familiares, enfim, todos devem brincar. Para tanto não basta só compreender os benefícios, é preciso tempo, espaço e materiais que vão auxiliar num brincar de qualidade. É necessário que essas unidades estimulem e dê acesso as brincadeiras, pois elas oferecem o desenvolvimento integral da criança.


Bibliografia

São Paulo. Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Currículo da Cidade: Educação Infantil. São Paulo: SME / COPED, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília,1998.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular Brasília, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creches: manual de orientação pedagógica. Brasília. MEC/SEB,2012.






68 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil