Buscar

Brincar constitui valor ao aprendizado

- Bianca Silva Gomes Panhoti -



O brincar entra em nossas vidas desde o momento em que abrimos os olhos, e nos entretemos com os estímulos que nos circundam e que nos chamam atenção, tornando-se presente em todos os momentos de nossa vida, trazem a experiência da concentração de esforços, de estado de presença absoluta, de descontração e assim acabam por ensinar, resgatar, integrar, desenvolver e até mesmo salvar.

Minha infância relaciona-se muito com as diferentes formas de brincar, sendo das mais integradas e livres até as mais resguardadas e individuais, isso decorrente de diversas fases em decorrência da idade, circunstâncias familiares e ambientes.

Durante os primeiros anos a brincadeira se dava muito no âmbito familiar, tendo uma boa relação com o uma mãe pedagoga que sempre brincou junto e incentivou a criatividade, leitura, exploração e experiências mais artesanais relacionadas à costura por meio de criação de roupas para bonecas e itens para demais brincadeiras.

Ainda nessa fase é importante mencionar que tive bastante influências de uma irmã 8 anos mais velha que eu, a qual sempre me inspirou e ao mesmo tempo me exclui das brincadeiras dela e das amigas, fazendo com que sempre eu tivesse interesse por algo mais maduro do que para a minha idade, despertando o meu interesse para a dança, música, desenho e escrita, cabe aqui salientar que devo a ela meu interesse ainda vivo por desenhar.

A presença de primos também sempre foi muito importante para o brincar em minha vida. Eles eram sempre representados pelas férias, pois são todos de Minas e essa era a viagem padrão para todas as férias nessa época. A brincadeira não era tão livre como eu gostaria (a menos nos dias de ir para o sítio de uma das minhas tias), o brincar acontecia sempre em praças por perto das casas dos avós, sob a monitoria dos pais ou nos quintais das casas, mais nada disso impedia que o divertimento fosse completo. Era muito faz de conta, cirandas, brincadeiras tradicionais, trava-línguas, cantigas, invenção de histórias e jogos de tabuleiro.


Um pouco mais crescida e por morar em uma rua sem saída, as brincadeiras começaram a tomar também o espaço da rua. Não me esqueço nunca o sentimento de liberdade e independência que me foi auferido na primeira vez em que me convidaram para andar de bicicleta na rua com as outras crianças e a minha mãe permitiu, foi como uma conquista imensa na vida, uma emoção que não cabia no sorriso de quem saí pela rua sozinha aos 8 anos pela primeira vez.

Nessa fase as brincadeiras se tornaram ainda mais corporalmente práticas e que desenvolveram melhor a minha habilidade motora, entraram no âmbito das preferidas, a corda, o patins, taco, pega-pegas, patinete e bicicleta. Sempre junto a essas brincadeiras era incorporado um faz de conta diferente, como por exemplo, sereias que nadavam (ou andavam de bicicleta), sempre com uma missão diferente.

Ainda nesse período já havia nascido o meu irmão mais novo e com ele as minhas brincadeiras e brinquedos favoritos foram aos poucos se modificando e tornando cada vez mais compartilhados.


Assim as bonecas passaram a sofrer acidentes em caminhões ou carrinhos, ocorreram remakes de filmes da Disney, como o filme Carros, o qual recontávamos a história do filme com as pistas e carrinhos Hot Wheels, a casa de bonecas se tornou o lugar dos caça monstros atuarem, os colchões viraram tatames para acrobacias, os tecidos que em outrora eram utilizados para roupas de bonecos se tornaram capas, luvas e máscaras de super heróis e em meio a todas essas transformações e ressignificações, digo que o momento de brincar se tornou muito mais divertido e completo.

Um pouco mais tarde, na entrada do período da pré-adolescência a molecagem e a rua foram sendo deixados um pouco de lado e tomaram frente de meu entretenimento a leitura, a dança e a música, me resguardando do contato com os outros, começaram-se os dias de fone de ouvido e pernas para o ar trancada no quarto, como se fosse um retiro para a reposição de energias, onde ali se encontrava a minha presença absoluta.

Durante essa fase o meu irmão sentiu muito a minha falta nas brincadeiras, hoje consigo compreender isso, mas na época ouvir suas reclamações eram um aborrecimento. Algumas vezes durante as férias eu retomava o meu vínculo brincante com meu irmão por meio de filmes, desenhos animados e séries, sobretudo da Disney, que passávamos tardes assistindo e brincando em meio aos comerciais com algum faz de conta relacionado ao que assistíamos.

No decorrer da adolescência os jogos de papel e caneta como o stop e jogo futuro eram os que tomavam conta, além disso, o faz de conta continuava, sendo trocado somente o assunto, agora por séries e filmes da “moda” como High School Musical e Camp Rock.

Ao fim da adolescência, por volta dos 16 anos comecei a trabalhar como monitora em um Buffet infantil, sendo que nessa fase tive a chance de retomar algumas brincadeiras bem infantis, como ir aos brinquedos que faziam parte daquele espaço, não somente eu, mais também os outros adolescentes que ali trabalhavam adoravam o momento antes da festa em que tínhamos a oportunidade de resgatar a criança pequena dentro de nós mesmos e isso era especial demais.

Iniciando a escolha e de uma carreira a se seguir na vida profissional eu acreditava que a minha escola era fazer Direito e me tornar uma renomada advogada, até porque era o que a maioria da família esperava, comecei então a me sobrecarregar nos estudos, não sobrando muito tempo para lazer, fiz técnico em Serviços Jurídicos na ETEC Jorge Street, me formei entrei para a área, prestei o Enem para ingressar em uma universidade federal.

Para o desenrolar dessa parte passei na UFMG e não pude, na verdade não consegui ir por dois motivos, um por um problema sério de saúde o qual minha mãe enfrentou justo nessa época e também por não estar satisfeita conhecendo mais a fundo a área, pois nessa época já era auxiliar administrativa em um escritório de advocacia e me desanimava várias vezes com diversas coisas da área, foi então quando me senti perdida e sem saber qual caminho seguir.

Em meio a essas tempestades da vida fiz terapia e nelas descobri que precisava resgatar algo muito importante em mim e que talvez eu quisesse vivenciar isso no meu dia a dia, na minha rotina, no meu trabalho, foi quando me deparei com a Pedagogia.

Cogitei realizar diversos cursos diferentes, que não fossem motivo de desgosto e reprovação por parte da família, mas em meio a comentários duros e desanimadores resolvi seguir pelo caminho da educação por acreditar que ela é o maior instrumento de mudança para o mundo, mas também pela minha crença de que seria certo que havia algum “método” que tornasse menos violento o processo escolar para as crianças (me refiro aqui por violento, por já ter tido a experiência de professores apostilados e que tudo resolviam na base dos gritos), eu acreditava que sinceramente conseguiria fazer diferente e que o lúdico tinha que ajudar a criança nesse processo.

Foi então na Faculdade de Educação da USP onde fui de encontro realmente ao que o meu lado intuitivo falava, conheci vários e ótimos professores que abriram os meus horizontes para conectar a brincadeira, os jogos nas sequências didáticas, além de conhecer vários autores que traduzem bastante o processo de desenvolvimento da criança e me fizeram entender o quanto o brincar se faz parte de tudo isso.

Na minha atuação profissional como professora auxiliar tive a honra de sempre conseguir emprego em escolas que seguem o modelo construtivista de educação, que consideram a criança um sujeito completo e ativo na construção de seu conhecimento, sendo assim possível manter e colocar em prática os meus ideais acerca da educação.

Acredito muito nessa ideia de que a criança constrói o seu conhecimento e tudo isso devido ao seu interesse (onde há interesse, há aprendizagem).

E qual é o agente impulsionador do interesse da criança?

As brincadeiras, brinquedos e tudo aquilo que pode envolver ludicidade que consiga capturar o interesse da criança.

Do ponto de vista do psicólogo russo, Alexei Nikolaevich Leontiev, acerca do significado do brincar para a criança. Para Leontiev (1998), o brincar é a atividade principal da criança, aquela em conexão com a qual ocorrem as mais significativas mudanças no desenvolvimento psíquico do sujeito e na qual se desenvolvem os processos psicológicos que preparam o caminho da transição da criança em direção a um novo e mais elevado nível de desenvolvimento. A atividade da criança não a conduz a um resultado de modo que satisfaça suas reais necessidades. O motivo que a conduz a determinada ação é, na verdade, o conteúdo do processo real da atividade. Como um exemplo disso, podemos citar uma criança construindo com pequenos blocos de madeira. O alvo da brincadeira não consiste em chegar a um resultado final como montar uma pequena cidade com todos os detalhes que a caracterizam como tal, e sim no próprio conteúdo da ação, no “fazer” da atividade.

Referências Bibliográficas:


O brincar na psicologia de Leontiev: o jogo como atividade e suas contribuições à educação infantil. Disponível em: <http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/8147_5548.pdf> Acessado em: 28 de novembro de 2018.

Teóricos sobre educação e ideias sobre o brincar. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao/teoricos-sobre-educacao-e-ideias-sobre-o-brincar/26050> Acessado em: 6 de dezembro de 2018.


61 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil