Buscar

Brincar e a Cidade

- Mariana Carretero -


A discussão em torno de considerar e ouvir as crianças sobre o desenho da cidade e as suas vivências nos espaços públicos é bastante nova. Pensadores da infância como Tim Gill, Francesco Tonucci, Sérgio Eduardo dos Santos Porto e Leonardo de Albuquerque Batista, argumentam sobre essa relação entre a criança e a cidade.

Para o inglês Tim Gill, pesquisador sobre a infância, as crianças necessitam de mais liberdade para explorar e brincar livre em suas cidades, que deveriam ser mais seguras e providas de natureza. O italiano Francesco Tonucci, pedagogo, também defende a autonomia das crianças na cidade. Essa autonomia, de acordo com as experiências mundiais de Tonucci, é possível quando a criança se torna modelo de referência para o desenho urbano, o que torna às cidades mais acessíveis e seguras para todos. Em correlação às ideias de Gill e Tonucci, o arquiteto brasileiro Sérgio Eduardo dos Santos Porto defende que as crianças brinquem na cidade e o pesquisador em sociologia da infância Leonardo de Albuquerque Batista, argumenta sobre a criança ser considerada e ouvida nos debates sobre o espaço urbano.

O arquiteto, Sérgio Porto, discorre sobre a relação da criança e a cidade no seu artigo O brincar como experiência do e no espaço urbano. O autor define os termos relacionados ao tema, lembrando que a palavra criança vem da mesma origem em latim da palavra criar. O brincar da criança é sua forma de reproduzir e entender a sociedade em que ela vive, e sua capacidade imaginativa a permite criar fantasias no mundo real, sem desprezá-lo.


Porto também discorre sobre a questão do corpo, que ele coloca como o primeiro instrumento do ser humano, que constrói e é construído pelo brincar. Ele compara a cidade a um corpo, explicando o porquê da importância de permitir o brincar na cidade, que resultaria em construção para a criança e transformação para a cidade.

No artigo A cidade do meu tamanho, Leonardo de Albuquerque Batista, defende que a criança passe a ser vista como cidadã, capaz de observar e de opinar sobre a cidade. Sugere que a criança seja pensada como protagonista do espaço e como capaz de transformar a cidade através de suas opinião e vivência. O autor menciona o termo cidade amiga da criança que é usado para identificar cidades que permitem a autonomia, liberdade e a segurança das crianças e incentivam o brincar.

Partindo das ideias, explicações e exemplos concretos desses pensadores da infância, é possível fazer reflexões acerca da qualidade da vida e desenho urbano na cidade de São Paulo. E É preciso lembrar que a vida urbana acontece em espaços públicos abertos e fechados.


Em termos de arquitetura e urbanismo, para a sociedade e profissionais da área mencionada, os espaços das crianças na cidade são aqueles projetados de forma lúdica para que elas aprendam e se divirtam em um ambiente infantil, seguro e próprio para elas, normalmente segregado dos demais espaços.

O urbanismo de São Paulo, assim como de outras grandes cidades brasileiras, acompanhou as necessidades exigidas pelo progresso e cotidiano de adultos e, associado a fatores como o aumento da violência e do fluxo de veículos, resultaram em uma segregação ainda maior dos espaços infantis. Se antigamente as crianças brincavam nas ruas com os amigos e muitas vezes sem a supervisão de um adulto, atualmente estão cada vez mais restritas aos ambientes internos.


É possível observar a diferença entre às cidades menores e as grandes metrópoles. Enquanto uma ainda é capaz de abrigar as brincadeiras em suas ruas com menor tráfego, grandes praças preservadas e jardins, a outra intensifica a interiorização das brincadeiras, com ruas pensadas para favorecer os automóveis, parques sem manutenção e suprimindo a natureza.


Nas grandes metrópoles brasileiras a segregação espacial também está associada à segregação social. Os ambientes públicos abertos com qualidade projetual e com manutenção constante encontram-se, em sua maioria, nos bairros mais nobres, longe das regiões periféricas. Os empreendimentos e as casas dessas regiões também são projetados para abrigar internamente o brincar, com áreas de lazer, como piscinas, quadras playgrounds, brinquedotecas e quintais. Nas periferias, esse espaço de lazer nem sempre existe na maioria das casas e é onde mais se encontra a resistência das crianças em tornar a rua e o espaço público, seus quintais do brincar.

A revisão do urbanismo de São Paulo, com intervenções e reconstruções no espaço urbano, se faz necessária para a construção de uma cidade mais igualitária e com melhor qualidade nos espaços públicos. Porém não se trata apenas de requalificar praças e parques e construir ou potencializar os já existentes equipamentos públicos nas áreas mais carentes de lazer. A mobilidade urbana também precisa ser repensada.


Sendo os automóveis considerados os protagonistas do espaço urbano, a mobilidade dos pedestres é, na maior parte da cidade de São Paulo, precária. As calçadas têm espaço reduzido para que as ruas sejam mais largas e comportem o máximo de automóveis possíveis. Além da largura, os pedestres precisam enfrentar a falta de manutenção e fiscalização do espaço das calçadas. Buracos, degraus, avanço de construções e objetos e árvores maiores que os permitidos pelas leis municipais, são os obstáculos que tornam o passeio público perigoso e ausente de acessibilidade.


Quando Gill e Tonucci defendem a autonomia e liberdade da criança na cidade, e Batista apoia uma cidade amiga da criança, é também sobre a mobilidade e passeios públicos que eles se referem. Se o pedestre fosse considerado o protagonista do espaço urbano, e se as crianças fossem o modelo de pedestre, seriam necessários espaços mais largos, com nivelamento mais uniforme e com objetos e natureza de tamanho adequado para que não invadam o caminho do pedestre. Essas seriam ações que permitiriam um passeio público mais capaz de abrigar o livre explorar e brincar da criança. E, com isso, o passeio público seria mais seguro e acessível para pessoas de todas as idades e para àquelas com mobilidade reduzida.

A experiência no Glicério, brevemente relatada por Sérgio Porto, mostra uma ação de arquitetos e urbanistas, envolvidos em projetar espaços, atuando com a ajuda das crianças. Elas são ouvidas e ensinadas sobre o lugar onde moram e ajudam a elaborar e executar as mudanças físicas que ocorrerão nos espaços de seu bairro. Para elas é uma brincadeira, e é uma brincadeira que modifica o espaço, tornando-o mais propício e atrativo para o brincar e todas as outras atividades referentes à vida urbana em comunidade.

A maioria dos equipamentos públicos fechados de cultura e lazer, como Museus e Centro Culturais também se encontra mais próxima de bairros de classes econômicas mais altas. No entanto, suas questões de localização se diferem um pouco dos espaços abertos. A localização desses espaços fechados muitas vezes é parte da história do próprio espaço e da cidade, pois muitos são patrimônios históricos.

E assim como nos espaços abertos, nos espaços públicos fechados também há desigualdade social, pois muitos ainda são vistos e muitas vezes realmente são apresentados, como locais apenas para elite ou pessoas com formação acadêmica. Além da desigualdade, ainda existem convicções de que museu e patrimônio histórico não é lugar de criança, pois elas são novas para entender sobre história, arte, cultura e a importância desses espaços e os objetos que expõem. Nessa lógica, criança só brinca e museu é lugar de seriedade.

Contudo, se o espaço não é utilizado por todas as esferas da sociedade ou visto como importante para a vida e história da cidade e de cada cidadão, não se pode esperar que a preservação do espaço e do que ele representa seja relevante ou prioridade para a população. A ideia de que não são lugar para crianças, resulta em adultos sem interesse por esses espaços e seus assuntos, já que eles não estavam inseridos em seu processo de descobertas e aprendizados da infância.


Ações em várias partes do mundo, apresentadas pelos pensadores da infância citados, em que crianças foram ouvidas e consideradas nas modificações dos espaços, resultaram em cidades mais perto de se tornarem confortáveis, seguras e igualitárias. Considerando essas experiências e as discussões sobre o tema, as crianças se mostram capazes de tornarem-se parte da realização e transformação do desenho urbano e espaços públicos para uma cidade com melhor qualidade de vida.

A criança experimenta e aprende a cidade através do brincar. Sendo assim, ela é capaz de opinar sobre os espaços, as formas, as cores, os barulhos, os caminhos e dizer, sobre a sua perspectiva e com seu próprio entendimento, o que funciona para ela na cidade e o que não funciona. E se a cidade é boa para ela, então ela funciona para todos porque o máximo para um modelo vulnerável foi feito.

Conclusão


Os pensadores da infância citados defendem que as crianças tenham espaço na cidade, e na cidade como um todo. Portanto, estando de acordo com seus argumentos, todo espaço público da cidade, aberto ou fechado, seria lugar de criança. Se o brincar é para a criança a maior forma de interação e que permite vivenciar e perceber os espaços, ele deveria ser incentivado pelo desenho e dinâmica da cidade. Se as pessoas não tiverem a oportunidade de viver à cidade desde crianças, não se pode esperar que elas criem um vínculo com os espaços urbanos e públicos e queiram melhorá-los e preservá-los.

Considerando as crianças os modelos de cidadão que o desenho e a dinâmica da cidade precisam acolher e permitindo que elas possam opinar e contar suas perspectivas da cidade, a sociedade conseguirá repensar e redesenhar o espaço público e a vida urbana da cidade, tornando-a satisfatória para todos.


Bibliografia

BATISTA, Leonardo de Albuquerque. A cidade do meu tamanho. In: Criança, Cidade, Cidadania - Colóquio Internacional, 2016, Guimarães. Atas. Guimarães: Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais, 2016. P 101-107.

MEKARI, Danilo; NOGUEIRA, Pedro. Tim Gill: Crianças no espaço público são grandes ativadoras de comunidades. Educação e Território, 2016. Disponível em < https://educacaoeterritorio.org.br/reportagens/tim-gill-criancas-no-espaco-publico-sao-grandes-ativadores-de-comunidades/>

PORTO, Sérgio Eduardo dos Santos. O brincar como experiência do e no espaço urbano. In: ENAPUR, XVIII., 2019, Natal. Anais. Natal: EDUFRN, 2019.

RIBEIRO, Adriana. Francesco Tonucci: a criança como paradigma de uma cidade para todos. Educação e Território, 2016. Disponível em < https://educacaoeterritorio.org.br/reportagens/francesco-tonucci-a-crianca-como-paradigma-de-uma-cidade-para-todos/>

43 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil