Buscar

Conhecendo a si próprio e ao outro. Valores éticos e humanos




- Marilena Flores Martins -


DE QUEM ESTAMOS FALANDO?


O Agente do Brincar é antes de tudo um educador e como tal, promoverá mudanças nas pessoas e no contexto familiar e social em que vivem. Ao mesmo tempo em que auxilia a criança ou o jovem na construção do seu conhecimento, desenvolve-se também com as experiências trocadas, ampliando sua dimensão de educando permanente. Une ação e reflexão. Seu fazer é resultante de uma opção nascida do pensamento crítico e voltado para a ação transformadora. Ele aposta no outro e por isso acredita na capacidade infinita de transformação do ser humano. Percebe qualidades nas pessoas, descobrindo nelas talentos insuspeitados e muitas vezes subestimados. Para que seu papel transformador seja desempenhado com sucesso é preciso conhecer-se a si mesmo e também as crianças e os pais com os quais irá trabalhar.


POR QUE AS CRIANÇAS BRINCAM?


As crianças, desde os seus primeiros meses de vida, incluem-se no mundo por meio dos vínculos que estabelecem com os adultos que delas cuidam. Desde bem pequenas demonstram de forma evidente suas necessidades básicas que incluem, além da alimentação e dos cuidados pessoais, o afeto, o estímulo e o reconhecimento. As pessoas já adultas continuam demonstrando essas mesmas necessidades por toda a vida.

Ao atender as crianças em suas necessidades estaremos tornando-as resilientes. A resiliência é a capacidade de se recuperar e se superar psicologicamente e de ter um bom desempenho socialmente aceitável, apesar de alguma forma de tensão ou adversidade, que são parte do alto risco de circunstâncias externas negativas. Os pilares da resiliência são: o Afeto, a Aceitação Incondicional, a Descoberta do Significado, as Habilidades sociais, o Humor e a Auto-Estima.


AFETO E AUTO-ESTIMA


Entendemos como demonstração de afeto todas as atitudes que contribuem para um relacionamento positivo e consistente entre adultos e crianças. Neste conceito se inclui a aceitação incondicional da e pela criança. Todas as crianças precisam de pelo menos uma pessoa que as aceite totalmente, incondicionalmente e com todos os senões. É muito importante saber que essa aceitação incondicional é recíproca; ambos, adultos e crianças têm que se aceitar mutuamente e de maneira incondicional. Eles precisam sentir que nasceram um para o outro e que pertencem à mesma rede.

Quando as crianças e os adultos estão brincando juntos, este fato expressa a aceitação incondicional: não há outro motivo para desfrutar a não ser a presença de um pelo outro, sendo um, parte da vida do outro e pertencendo um ao outro. Este comportamento é cheio de significado: adultos e crianças estão celebrando e desenvolvendo seu pertencimento.

A aceitação incondicional desenvolve a auto-estima, que é o sentimento de estar bem consigo mesmo. Ela está relacionada à sua opinião sobre si mesmo e ao mesmo tempo, à opinião dos outros sobre você. Enquanto brincam, as crianças recebem continuamente informações sobre quem eles são; avaliam uns aos outros e a si próprios. Portanto eles estão desenvolvendo mais ou menos auto-estima.


ESTÍMULO


A neurociência nos aponta novos caminhos para explicar o desenvolvimento humano. Neurônios podem nascer ou morrer de acordo com os estímulos a que são submetidos. Condições como estresse, depressão e viver num ambiente pobre em estímulos provocam morte de neurônios e atrofia de áreas cerebrais como o hipocampo, essencial para a memória e o aprendizado.

Por outro lado, os estímulos nos fazem perceber que estamos vivos. As crianças precisam ter experiências em que elas possam decorrer o significado de suas vidas, o significado de viver neste mundo, o significado das relações interpessoais. Brincar é o estímulo que ajuda a criança a construir o seu projeto de vida.

Não é só o significado que é importante, é a descoberta do significado, o ato de descobrir um significado. A descoberta do significado pode ser feita de várias maneiras, mas uma das mais importantes é brincar.Talvez a razão mais importante pela qual as crianças brincam, seja pela descoberta do significado. Brincar leva a descoberta de si mesmo, das outras pessoas e do mundo. Começa pela manipulação das coisas, pela descoberta e desenvolvimento de sua capacidade para a vida. O desenvolvimento integral das crianças (físico, psicológico, motor, emocional, etc.), pode ser interpretado como o processo de criação e descoberta de significado.


RECONHECIMENTO


O reconhecimento está diretamente relacionado às habilidades sociais que são as habilidades que as pessoas precisam para organizar suas vidas, para atingir algum objetivo. Aprender a calcular, a dirigir um carro, a falar outras línguas, aprender história, geografia, todas estas atividades ajudam os jovens a introduzir-se no mundo da maneira como foi construído por muitas pessoas, durante muitos séculos e dessa forma obterem o reconhecimento de que necessitam. A maior parte das instituições educacionais está muito focada em desenvolver essas habilidades utilizando a educação formal, mas há também a educação não formal que acontece quando oferecemos às crianças oportunidades para brincar livremente, seja nos espaços públicos, seja nas escolas ou em suas casas.

Quando as crianças têm a oportunidade de escolher como, onde e com quem querem brincar, elas estão desenvolvendo muitas habilidades sociais como: organizar sua agenda, negociar com outros sobre o que fazer, construir relações sociais, aprender a dominar a frustração quando perdem o jogo etc. Essas habilidades colaboram para a construção de um individuo único,

resiliente, suficientemente capaz de estabelecer vínculos positivos e relações de confiança em si e no outro. Estas são as bases para que ele seja reconhecido como pessoa e como cidadão, pronto para desempenhar seu papel no mundo.


PERFIL DO AGENTE DO BRINCAR


Até aqui falamos de como se estrutura a personalidade de cada um de nós. Vamos agora abordar uma questão muito importante quando falamos do desenvolvimento de pessoas. Antes de tudo, precisamos lembrar que as pessoas são os meios e o fim do desenvolvimento e por isso os agentes que atuam para promovê-lo, seja em que área for, necessitarão desenvolver habilidades, atitudes e valores que são essenciais para um resultado positivo em seu trabalho transformador. Vejamos algumas:


Liderança - A liderança para ser respeitada precisa ser natural, espontânea. O verdadeiro líder é entusiasta, dinâmico, acumulando conhecimento em uma ampla gama de assuntos. Tem boa memória e está sempre buscando melhorar o sistema em que atua.


Criatividade - O Agente do Brincar é um criador de acontecimentos - Em outras palavras faz acontecer, realiza. Alem da atitude reflexiva, os agentes, precisam passar também para a ação. Não podem esquecer que as crianças aprendem muito mais com os modelos de ação do que com discursos elaborados.


Organização - Pesquisas têm demonstrado que a organização externa do espaço e das atividades é interiorizada pelas crianças, facilitando seu aprendizado. O agente que deseja efetividade no seu trabalho organiza seu programa de atividades, seu material, seu ambiente de trabalho, de modo que se sinta seguro e transmita segurança aos participantes.


Flexibilidade – precisa ser flexível para responder ás questões diversas e desenvolver sua capacidade para “ver” e “ouvir”. Atuará dando o primeiro passo no sentido de ajudar o outro no seu processo de desenvolvimento pessoal e conseqüente conquista de Autonomia. A autonomia é requisito fundamental para que os indivíduos alcancem a tão almejada felicidade! Ela está intimamente relacionada á capacidade de cuidar de si mesmo e a relacionar-se com o outro de maneira afetivamente satisfatória. É ferramenta fundamental na busca da realização pessoal. O ser humano está em constante interação com o outro e precisa sentir-se amado e respeitado incondicionalmente. Por esse motivo é importantíssimo que o agente veja e ouça em cada menino ou menina com os quais se relaciona, aquilo que eles têm em comum com as demais crianças e não os que as diferenciam. É importante saber o que querem aprender e não o que não sabem! Precisam saber da sua história pessoal e familiar bem como do contexto cultural em que vivem, sem compará-los a padrões pré-estabelecidos.

Vocação para a Pesquisa - Pesquisar novas formas de abordagem e de transmissão de conhecimentos e técnicas é o que faz o verdadeiro agente. Ele nunca está satisfeito com os resultados obtidos, não para punir, mas sempre para buscar novas e melhores maneiras de aperfeiçoar o seu trabalho. Coleta informações e compara resultados, sempre no sentido de buscar indicadores para a efetividade do seu trabalho.


Laborabilidade – O verdadeiro agente tem amor ao trabalho e disponibilidade para assumir novos desafios que levem ao aprimoramento do seu trabalho e ao seu próprio.


PILARES DE ATUAÇÃO


A atuação do Agente para ser efetiva, precisa estar construída sobre três pilares:


Sentir - Entenda-se por sentir, a experimentação de emoções verdadeiras : Afeto, Medo, Alegria, Tristeza, Raiva.


Pensar - Conhecer-se a si mesmo e também os princípios e valores que regem os relacionamentos humanos. Ter consciência dos direitos das crianças e jovens e os deveres dos cidadãos. Capacidade de reflexão sobre esses temas e autonomia para pensar.


Agir - Para tal, mais uma vez precisa ter sua Autonomia desenvolvida, atuar com Criatividade na resolução das questões e cultivar a Liderança positiva que leva o outro a atingir seu desenvolvimento pleno.


VALORES FUNDAMENTAIS A SEREM TRANSMITIDOS


Confiança - É a chave para promover a resiliência. As crianças precisam aprender a confiar em si e nos outros a partir da confiança que depositam em sua família e nos adultos com os quais se relacionam.


Honestidade - Baseia-se na confiança que as pessoas desenvolvem umas nas outras. É a crença de que o outro e sincero e honesto e não fará nada para prejudicá-lo. Ajuda a desenvolver a solidariedade.


Verdade - São os fatos reais sobre a situação e entre as pessoas e não algo inventado, imaginado, escondido.

A confiança ajuda a reconhecer a verdade. Esperança - A vocação para sonhar é parte da personalidade humana. A criança desde cedo começa a imaginar seres e espaços onde ela vive com quem ama e é feliz. Aos poucos, porém as vicissitudes da vida fazem-na adaptar-se a uma realidade nem sempre rósea, levando-as muitas vezes a uma adaptação puramente de sobrevivência. Esta atitude leva a desesperança e apatia que, no seu extremo, caracteriza-se pela falta de vontade de viver, manifestando-se esta de várias formas: desde o mau aproveitamento escolar até o envolvimento com drogas de todo tipo. O agente que tem sua capacidade de sonhar preservada, pode ajudar essa criança ou

jovem a resgatar o sonho e a fantasia em sua vida e desta forma impulsioná-lo com energia par as mudanças positivas.


Beleza - A criança e o jovem por outro lado, como disse Esquivel: “Têm o Direito Universal à Beleza”. A Estética e a capacidade de descobrir o belo nas pequenas coisas são fundamentais para o desenvolvimento da alma infantil e as qualidades anímicas são fonte geradora de energia vital e desenvolvimento saudável de corpo e mente. Sem esses princípios o processo educacional é estéril e medíocre. Finalizando, poderíamos lembrar de alguns requisitos básicos para um bom desempenho:


 O Agente precisa ter força e potência suficientes para se transformar e ajudar o outro na sua transformação;


 O Agente deve ter a capacidade de aprender durante toda a vida e buscar as oportunidades para fazê-lo;


 O Agente precisa dominar as diferentes linguagens e códigos com os quais se negociam os significados do mundo contemporâneo;


 O Agente necessita dominar os princípios científicos e tecnológicos que sustentam a produção humana em permanente mutação;



Quando crianças e adultos brincam juntos, estão exprimindo uma aceitação incondicional mútua : não há outro motivo para desfrutar, do que a presença de ambos, sendo um, parte da vida do outro e pertencendo um ao outro.” Dr. Jan Van Gils - Presidente do ICCP

73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo