© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

Contate-nos: +55 11 3255-4563 * contato@ipabrasil.org

                      Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

                      Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil

Ideias sobre o Desenvolvimento e Jogo

- Andréia Maria dos Santos Martins -


Realizar um planejamento e desenvolvimento das atividades é de extrema importância antes de colocar em prática, pois poderíamos ocasionar, nas crianças, o desgaste físico perdendo o controle da situação.

O termo criança, por sua vez, mostra uma realidade psicobiologia referenciada ao indivíduo. Segundo o Dicionário, Silveira Bueno, por exemplo, criança é um ser humano de pouca idade, no mesmo dicionário, a infância está definida como um período de crescimento, no ser humano, que vai do nascimento até a puberdade.


Palangana,(2001), fez referencia, dentre outros dizeres de Vygotsky, “As funções psicológicas superiores são de origem sócio-cultural e emergem de processos psicológicos elementares, de origem biológica, através da interação da criança com membros mais, experientes da cultura”, em outras palavras, a partir de estruturas orgânicas elementares da criança, determinadas basicamente pela maturação, foram -se novas e mais complexas funções mentais, a depender da natureza das experiências sociais a que ela está exposta.


A atividade humana não separa o orgânico do social, destacando o valor da apropriação ativa que a criança faz da cultura do seu grupo.


Portanto, através da vida social, da constante comunicação que se estabelece entre crianças e adultos, ocorre a assimilação da experiência de muitas gerações e a formação do pensamento, segundo Vygotsky, no processo de desenvolvimento, a criança começa usando as mesmas formas de comportamento que outras pessoas inicialmente usaram em relação a ela, isto ocorre porque, desde os primeiros dias de vida, as atividades da criança adquire um significado próprio num sistema de comportamento social, refratadas através de seu ambiente humano, que a auxilia a atender seus objetivos, isto envolve a comunicação e estabelece uma relação entre o meio e o fins, desenvolvendo uma capacidade para a criança autorregular-se.

Palangana, (2001), ainda salienta os estudos de Vygotsky,


“A criança executa mentalmente o que originalmente era uma operação baseada em sinal, presente ao diálogo entre duas pessoas. Esta internalização da fala, assim como dos papeis de falante e de respondente, ocorre, aproximadamente, dos três aos sete anos. A partir das exigências da situação social imediata, permiti-lhe controlar seu próprio pensamento."


Não é o objeto, mas a atividade da criança com ele, seus movimentos e gestos que lhe atribui sua função de substituto adequado, similaridade perceptiva dos objetos não tem um papel considerável para a criança compreender a notação simbólica utilizada na brincadeira- experimento, mas sim que os objetos admitem o gesto apropriado para reproduzir o elemento original da história, porém o objetivo utilizado na brincadeira do faz- de – conta uma grande contribuição para a aprendizagem da linguagem escrita pela criança.

Considerar que a criança muito pequena está limitada em suas ações pela restrição situacional, desde a percepção que ela tem de uma situação não está separada da atividade motivacional e motora. Todavia, na brincadeira, os objetos perdem sua força determinadora sobre o comportamento da criança, que começa a poder agir independentemente daquilo que ela vê, pois a ação, numa situação imaginária, ensina a criança a dirigir seu comportamento não somente pela percepção imediata dos objetos ou pela situação que a afeta imediato, mas também pelo significado dessa situação. A ação da criança é regrada, então pelas ideias, pela representação, e não pelos objetos e a brincadeira fornece um estágio de transição em direção à representação, desde que um objeto pode ser um pivô da reparação entre um significado e um objeto real de atividade são “jogo” ou “brincadeira”. As definições para jogo e brincadeira variam de uma área do conhecimento.


O termo jogo é mais utilizado, referindo-se a várias modalidades de ações que a criança realiza, as quais, embora tenham em comum a ludicidade. O termo brincar em sentido amplo engloba:


• Brincar atividade universal


Encontrada nos vários grupos humanos, em diferentes períodos históricos e estágio de desenvolvimento econômico. Evidentemente as várias modalidades lúdicas não existem em todas as épocas e não permanecem imutáveis através dos tempos. Como toda atividade humana, o brincar se constitui na interação de vários fatores que marcam determinado momento histórico sendo transformado pela própria ação dos indivíduos e por suas produções cultural e tecnológica, assim os jogos e brincadeiras são transformados continuamente.


• A brincadeira e o jogo


São processos que envolvem o indivíduo e sua cultura, adquirindo especificidades de acordo com o grupo. Eles tem um significado cultural muito marcante, pois é através do brincar que a criança vai conhecer, aprender e se constituir como um ser pertencente ao grupo, ou seja, o jogo e a brincadeira são meios para a construção de sua identidade cultural, porém o jogo e a brincadeira são situações de construção de

significado, de indagação e transformação do próprio significado que envolve emoções, afetividade, e rupturas de laços que perpassa a ligação entre as pessoas.


• Um jogo ou brincadeira


É qualquer atividade que envolve mais que um indivíduo, mas sempre implica na troca, partilha, confronto e negociações.

A atividade envolvida nesta ação pode adquirir mudanças variadas, traduzindo-se na alternância de momentos harmônicos e desarmônicos. O brincar tem dupla utilidade: funciona como estratégia para construção da individualidade (o ser e o meio) e o (meio físico e a representação), como situação para compreensão e inserção do indivíduo na cultura a que pertence.


• Brincar e processos psíquicos


O jogo e a brincadeira têm importância também para o desenvolvimento de processos psíquicos relacionados tanto direta quanto indiretamente a estas atividades.

Do primeiro grupo fazem parte a imaginação, a linguagem e o pensamento: do segundo, a memória. O brincar desenvolve na criança as premissas responsáveis pela memória voluntária e da motricidade. As atividades levam também ao desenvolvimento de determinadas faculdades: cooperação, concentração menta e criatividade, porém devemos colocar em prática e dar oportunidade para a criança desenvolver cada uma por si só.


• O brincar no processo do desenvolvimento infantil


É a forma de atividade complexa, sendo assim, possui uma peculiaridade que combina ficção com a realidade, ou seja, brincando a criança trabalha com informações, dados e percepções da realidade, mas na forma de ficção. O brincar sempre inclui a experiência de quem brinca, desta forma as crianças pequenas reproduzem as ações que percebem em seu meio (dirigir um carro ou balançar uma boneca). A medida em que crescem, vão incorporando a representação que fazem da vida real, os conhecimentos adquiridos, bem como os desejos e sentimentos.


• Para que a criança brinca

Os jogos, inicialmente, eram encarados como oportunidades de descarga de energia para as crianças, atividade que se explicaria por si só, Hoje o brincar tem função essencial no processo de desenvolvimento da criança, principalmente nos primeiros anos de vida nos quais ela tem de realizar a grande tarefa de compreender e se inserir em seu grupo, constitui a função simbólica, desenvolver a linguagem, explorar e conhecer o mundo físico. Desde bebê a criança dedica grande parte do tempo á exploração do mundo material no qual está inserida de forma que ela possa compreender e ser compreendido, através da relações recíprocas, ela aprende as normas do comportamento, o hábito cultural, para conhecer os objetos em seu contexto e desenvolver a linguagem e a narrativa, assim trabalha com o imaginário, os eventos e fenômeno que ocorrem a sua volta.


• A evolução do brincar



É a atividade que tem grande ocorrência na infância, devido à sua funcionalidade no processo de desenvolvimento e aprendizagem do ser humano. O jogo e a brincadeira assumem características diferentes nos vários períodos de desenvolvimento, eles se estruturam em torno dos movimentos na primeira infância e do exercício dos expedientes necessários para o desenvolvimento da função simbólica. Construída a função simbólica, evidentemente, ocorre o desenvolvimento da linguagem cujo aparecimento e progresso são igualmente consequentes da ação que caracteriza os jogos antecedentes, nos quais há predomínio dos movimentos. Ao brincar as crianças se habituam a aproximar imagens a símbolos concretos conduzindo posteriormente ao conceito abstrato, porém a criança não depende necessariamente da presença de objetos para brincar, pois ela mesma desenvolve situações do faz-de-conta e escolhe o jogo, brincadeira e os amiguinhos. Partindo do olhar de Wallon “argumenta que a partir das brincadeiras e do faz de conta a criança coloca em prática a imitação e a repetição, este processo leva a memorização de sentenças complexas e potencializa a aprendizagem. A dinâmica da brincadeira Lea a criança a compreender o mundo com suas regras a través da imitação. A saber, a imitação é um processo continuo nas brincadeiras infantis e tem efeitos surpreendentes,


“Pois, inicialmente, sua compreensão é apenas uma assimilação do outro a si e de si ao outro, na qual a imitação desempenha precisamente um grande papel. (...) a imitação não é qualquer uma, é muito seletiva na criança.”



Analisando o olhar de Wallon podemos afirmar que a brincadeira é algo próprio da infância e pode ter diferentes manifestações no mundo infantil. O autor destaca ainda que a brincadeira estabelece como ferramenta eficaz o processo de memorização, socialização, articulação de ideias e espontaneidade. Nesta circunstância o jogo e brinquedo se formem e si juntam as brincadeiras infantis numa dinâmica que produz interação social e leva a criança ao desenvolvimento de habilidades.


• O movimento e sua importância


A realização de jogos e brincadeira na primeira infância envolve naturalmente o movimento, que vai dominar como componentes, pois através dele a criança se coloca no meio, inteirando-se com objetos, com as pessoas, explorando seu próprio corpo, o espaço físico e uma das funções da brincadeira é permitir a criança o exercício do movimento e estes são chamados de jogos funcionais ou exercício que vão permitir a realização de movimentos crescentemente complexos de mãos, braços, pernas, corpo e cabeça. Para Wallon, “o jogo é importante para desenvolvimento da personalidade humana e está fortemente ligado a motricidade na ação pedagógica. Assim ele acredita que jogo é uma atividade livre que potencializa o desenvolvimento, assim o classifica em: Jogos funcionais consiste na exploração do corpo através dos sentidos. Possibilita a evolução da motricidade”.

Cada indivíduo se desenvolve no seu tempo, isto é um processo pessoal que depende do envolvimento e desenvolvimento de cada um. Embora muitas vezes a prontidão e a maturação caminhem juntos, sabemos que todos indivíduos ultrapassam as fases de desenvolvimento, uns mais rápidos que outros, mas as dificuldades devem ser respeitadas e não podemos impor, sacrificar as crianças para que elas alcancem nossas vontades e objetivos. Trabalhar com criança e com adulto é necessário ter em mente estas seguintes letras: E.P.L.R.R E= Explorar ou examinar o que precisa ser feito; P= Perguntar a si mesmo, isto é para a criança ou para o adulto; L= Ler e se aperfeiçoar quanto ao desenvolvimento da criança; R= Recitar e repetir quantas vezes for necessário; R= Rever o assunto e os objetivos que se quer alcançar. Cabe relembrar que a infância é a idade do lazer por excelência, espontaneidade e o brincar, pois a ludicidade e a livre escolha são caráter de interesse da criança e não deverá ser exigida pelo adulto.



O brincar faz a criança se desenvolver de forma alegre, respeitando o tempo e o espaço delas. Fazendo com que elas superem e vivenciem as relações espaciais e temporais que favorecerão o seu próprio autoconhecimento.


Bibliografia:


BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

BUENO. Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. Edição para o Ens. Fundamental. –São Paulo: FTD, 2000.

FALCÃO, Gérson Marinho. Psicologia da aprendizagem. 3ª edição. São Paulo; Ática, 1986.

GONÇALVES, M.C; et.al. Aprendendo a Educação Física da Pré-Escola até a 8 série do 1ºGrau; Curitiba, Ed. Bolsa Nacional do Livro,2002.

Palangana, C; I. Desenvolvimento e Aprendizagem em Piaget e Vygotsky a Relevância do Social, São Paulo. São Paulo, ed.3,2001. WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Rio de Janeiro: Andes, 1981. _____________ A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007 (Coleção Psicologia e Pedagogia).

Site:


HERRERO, Dafne. Desenvolvimento Infantil Pleno: Igualdade, Equidade e Oportunidade no Brincar.

https://www12.senado.leg.br/institucional/programas/primeira-infancia/artigos/artigos-ano-2016/desenvolvimento-infantil-pleno-igualdade-equidade-e-oportunidade-no-brincar-dafne-herrero

25 visualizações