Buscar

O BRINCAR: A HISTÓRIA E O FUTURO

- JOICE ANAIZE TONON DO AMARAL-


O Brincar é transformador, ele está presente desde o momento do nascimento das crianças, pois além de todo cuidado oferecido pelos adultos próximos a ela, há interação, socialização, toque, olhares, carinho, sons e gesticulações emitidas para esse bebê.

As brincadeiras evoluem de pequenos balbucios e gesticulações até brincadeiras de casinha, adivinhação, cirandas e brincar livre na rua. Apesar de ser algo que sempre existiu, o brincar nem sempre foi considerada uma atividade que ajudaria no desenvolvimento de uma criança, mas sim por muito tempo foi considerada “perda de tempo” (1).

No contexto histórico mundial, a partir do século XVIII que houve uma preocupação com a criança em si, esse olhar de que ela precisava ser “cuidada”, escolarizada e preparada para uma atuação ulterior. Em primeiro momento, fica evidente a criação do ensino com intuito de formação de mão-de-obra, em seguida a escola se tornou um instrumento de fragmentação da sociedade, isolou crianças de adultos e pobres de ricos, impondo diferentes oportunidades e acesso para o desenvolvimento das crianças e um tratamento como adulto em miniatura (2).


Apenas no século XX que as crianças receberam um olhar voltado ao papel social que estavam inseridas, e as contradições sobre moralizar (controlar a criança) e paparicar (achar engraçada ou querer preservá-la como criança). Nesse momento da história, a sociologia, antropologia e psicologia (Ariès, Piaget, Vygotsky, Wallon, Charlot, Kramer, dentre outros) tiveram papel fundamental para ajudar a compreender as crianças, a infância e o papel social (2,3).

Segundo Kramer (2007) (4):

“Crianças são sujeitos sociais e históricos, marcadas, portanto, pelas contradições das sociedades em que estão inseridas. A criança não se resume a ser alguém que não é, mas que se tornará (adulto, no dia em que deixar de ser criança). Reconhecemos o que é específico da infância: seu poder de imaginação, a fantasia, a criação, a brincadeira entendida como experiência de cultura.



Crianças são cidadãs, pessoas detentoras de direitos, que produzem cultura e são nela produzidas. Esse modo de ver as crianças favorece entendê-las e também ver o mundo a partir do seu ponto de vista. A infância, mais que estágio, é categoria da história: existe uma história humana porque o homem tem infância”.

O desenvolvimento social da criança começa ao nascer, pois ela já está imersa em um contexto social. Segundo Vigostky(2007) (5), a brincadeira se torna importante para ela justamente na apropriação do mundo, na internalização dos conceitos desse ambiente externo a ela. Sendo assim, o brincar é social e a criança não brinca sozinha, ela tem um brinquedo, um ambiente, uma história, um irmão, primo, professor que media essa relação e que faz do brincar algo criativo e estimulante (6).



É imprescindível, para que as crianças possam exercer sua capacidade de criar, que haja diversidade e riqueza de experiências, seja no ambiente escolar ou em casa. Experiências essas voltadas às brincadeiras ou a aprendizagem por meio de intervenção direta (7). Conforme Valesco (1996), “na criança em que é privada essa atividade, por condições de saúde, financeiras ou sociais, ficam “marcas” profundas dessa falta de vivência lúdica”. Sendo assim, evidencia-se a importância de pessoas preparadas para oferecer uma mediação adequada do brincar, e de um tripé (família, escola e sociedade) capaz de oferecer o brincar (8).

Brincar é um direito reconhecido por lei; A legislação brasileira reconhece explicitamente o direito de brincar, tanto na Constituição Federal (1988), artigo 227, quanto no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (1990), artigos 4º e 16, e que esse seja exercido plenamente por todas as crianças. Há também o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, que entende a importância do brincar e a importância do brincar na vida escolar da criança, tendo em vista, o desenvolvimento da criança em todos os seus aspectos (cognitivo, afetivo, motor e social) (9).

Ao refletir sobre o direito de brincar, primeiramente, evidencia-se que não são todas crianças que efetivamente gozam do mesmo, e o que observamos no cotidiano de algumas famílias, é que o brincar criativo não é mais tanto estimulado (se já foi um dia, há diferentes contextos sociais e problemas envolvidos), houve uma mudança no modo de brincar e de interagir. Atualmente, o brincar está atrelado a tecnologia, um jogo no celular ou brinquedo tecnológico e muitas vezes esse “brincar” não é estimulante, não promove a interação, imaginação e criatividade. Apesar da evolução da compreensão da criança e do brincar, nota-se que há muito a ser explorado e entendido nesse contexto.


Estimular o brincar em todos ambientes, se apropriar dos espaços públicos para tal, proporcionar para TODAS as crianças independente do contexto social, estudar esse tópico cada vez mais e compreendê-lo é de suma importância, pois “O brincar nos faz iguais e naturais” (Herrero e Flores,2018), ele desenvolve habilidades físicas e emocionais, criatividade, imaginação, autoconfiança e cognitivas, e melhora a capacidade de entendimento do mundo, adaptação e resiliência; E o futuro sempre será as CRIANÇAS. Sendo assim, o BRINCAR é potencializador e enriquecedor de experiências que são fundamentais para o desenvolvimento sociopsicomotor de todo ser humano, principalmente, na infância e promove felicidade.

REFERÊNCIA

1- LUZ, Marina Cabreira da; OLIVEIRA, Maria Cristina Alves Ribeiro de; SOUZA, Gelsenmeia Massuquette Romero de. BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER. X Congresso Nacional de Educação- PUCPR. 2011.

2- RODRIGUES, Maria Luiza. A criança e o brincar. Tese de Doutorado. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-UFRRJ. 2009

3- TEIXEIRA, Hélita Carla; VOLPINI, Maria Neli. A importância do brincar no contexto da educação infantil: creche e pré-escola.Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro-SP, 1 (1): 76-88, 2014.

4- KRAMER, Sônia. A infância e sua singularidade. In: Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade/ organização Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Rangel, Aricélia Ribeiro do Nascimento – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007, pp.15.

5- VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007 .

6- NAVARRO, Mariana Stoeterau. O brincar na educação infantil. IX Congresso Nacional de Educação e III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. PUCPR, 2009.

7- SANTOS, Geneí Gonçalves Ferreira. A Importância do Brincar na Formação do Sujeito. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 05. Ano 02, Vol. 01. pp 41-56, Julho de 2017. ISSN:2448-0959

8- VALESCO, Cacilda Gonçalves. Brincar o despertar psicomotor. Rio de Janeiro, Editora Sprint, 1996, p.43.

9- BRASIL, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI) BRASIL. LEI N 9394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Setembro de 1996. Editora do Brasil. Brasília, 1998.

10- Flores, Marilena; Herrero, Dafne. O brincar nos faz iguais e naturais. 2018. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/programas/primeira-infancia. Acessado em 12 de dezembro de 2019.

0 visualização

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil