Buscar

Profissionais do Brincar - Um olhar sobre os Agentes do Brincar

- Bianca Freitas Leme -


“Não se trata de uma regressão irresistível à vida infantil

quando o adulto se vê tomado por um tal ímpeto para brincar.

Sem dúvida, brincar significa sempre libertação.” Walter Benjamin




O brincar é uma ação mais natural e comum do comportamento humano, principalmente, ao longo da infância. É por meio do brincar que se torna possível a criança se expressar e explorar o mundo ao seu redor. Para tanto, é importante observar algumas diferenças entre criança e infância. Segundo Carneiro e Dodge (2008), em síntese, a palavra criança associa-se a ideia de uma etapa do desenvolvimento humano, ela se diferencia do adulto, não havendo nenhuma preocupação com o seu comportamento, com a sua cultura ou, até mesmo, com o seu papel dentro da sociedade. Já o conceito de infância está associado hoje dentro de um contexto cultural, social, político e econômico, ou seja, implica o lugar em que a criança está inserida na sociedade.

De acordo com o documento estabelecido na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (artigo 31) e no Estatuto da Criança e do Adolescente do Brasil (artigos 40 e 16), o brincar é reconhecido como um dos direitos fundamentais de todas as crianças, pois se trata de uma linguagem essencial para o seu desenvolvimento. Neste sentido, toda criança deve ser vista como cidadã e ter o direito de brincar e viver a infância. Pois mesmo sendo pequena e vulnerável, ela é um ser que tem saberes, interesses e necessidades e, acima de tudo, ela é um ser que precisa de amor, carinho e atenção.

Brincar é movimento, liberdade, cultura, emoção e diversão. Deve ser visto como uma atividade prazerosa e espontânea, que favorece diversas aprendizagens e que contribui para que a criança se desenvolva de forma cognitiva, afetiva e social. Desta maneira, quando a criança brinca ela aprende a se expressar, a socializar, a imaginar, a fantasiar, a criar; a explorar, a cooperar, a respeitar os outros e a si mesmo, a enfrentar riscos e desafios, a lidar com frustrações, a fazer o uso do sensorial e do movimento, a expressar seus sentimentos e emoções, a ouvir e compartilhar histórias. Além disso, o brincar também incentiva a curiosidade, a autoconfiança, a concentração, a autonomia, e contribui para a construção de novos conhecimentos e aprimora o seu repertório.

Seguindo este ponto de vista, na obra publicada pelo Ministério da Educação (2013), é salientado que: O brincar ou a brincadeira - é atividade principal da criança. Sua importância reside no fato de ser uma ação livre, iniciada e conduzida pela criança com a finalidade de tomar decisões, expressar sentimentos e valores, conhecer a si mesma, os outros e o mundo em que vive. Brincar é repetir e recriar ações prazerosas, expressar situações imaginárias, criativas, compartilhar brincadeiras com outras pessoas, expressar sua individualidade e sua identidade, explorar a natureza, os objetos, comunicar-se, e participar da cultura lúdica para compreender seu universo. (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, 2013, p. 10)

Com base na citação acima, observa-se que através da cultura lúdica, as crianças têm a possibilidade de vivenciar múltiplas experiências mesmo que simbólicas, uma vez que o imaginário é a ferramenta primordial para dialogar com a alma da criança. É no imaginário que prevalece o encanto da fantasia. Na brincadeira do “faz de conta”, por exemplo, a criança vive a realidade que a cerca no momento, assim, o brincar faz dela a protagonista de suas ações.

Por sua vez, nota-se que as atividades lúdicas não têm como objetivo apenas o de proporcionar o bem-estar e divertimento, mas também são fundamentais para o aprendizado. Junto a tais reflexões, surgem novas perspectivas acerca do brincar. É possível observar que em muitos lugares o brincar se torna uma atividade dirigida, que para poder brincar é preciso obter algum conhecimento imediato, ou seja, não é respeitado o direito de brincar da criança pelo simples prazer de brincar.

Outro aspecto alarmante é o “tempo limitado” que é dado para a criança brincar, pois cada vez mais se observa o impulso de inserir atividades e tarefas em sua rotina diária. Para que as crianças possam se desenvolver de maneira saudável, é preciso respeitar o seu tempo, principalmente o seu tempo de brincar. As autoras Jensen e Amarante (2017) ressaltam que: No mundo infantil não deveria caber a palavra “pressa”. Leva-se tempo para crescer, para construir um corpo saudável que sirva de base física para todo um desenvolvimento anímico espiritual posterior. Para isso temos a infância, que deveria ser permeada pelo: brincar; desenhar livremente; natureza – terra-água-areia; correr- balançar – pular corda; atividades caseiras para a criança imitar; ritmo saudável; bom sono; boa alimentação; espaços amplos; etc. (JENSEN; AMARANTE, 2017).

Nesta perspectiva, pontuam-se algumas questões, sendo elas: como podemos proporcionar às crianças o acesso espontâneo e livre do brincar? Como podemos ser facilitadores do brincar? Como proporcionar tempo, espaço e o ambiente de brincar?

Ser Agentes do Brincar e ajudar as crianças brincarem pelo prazer do brincar, não com outro propósito ou agenda, e que o brincar pode acontecer além dos muros da escola.


No convívio familiar, por exemplo, cabe aos pais tornar o brincar parte integrante da rotina diária das crianças, oferecendo oportunidades delas brincarem, porém, respeitando as escolhas de brincadeiras das crianças, individuais ou em grupo. Além disso, o brincar constrói e fortalece vínculos afetivos, afasta a tristeza e promove a alegria.



Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creches: manual de orientação pedagógica. Brasília: MEC/SEB, 2012.

CARNEIRO, Maria Angela Barbato; DODGE, Janine J. A descoberta do brincar. São Paulo: Melhoramentos, 2008.

JENSEN, Silvia; AMARANTE, Maria Chantal. O brincar infantil. Disponível em: <http://www.antroposofy.com.br/forum/download/artigos/O brincar infantil.pdf>. Acesso em: 9 jun. 2017.

43 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil