Buscar

Relações de Gênero no Universo do Brincar

- Hellen Tavares Peixoto -


O presente artigo tem como intuito apresentar reflexões sobre as temáticas que se refere às questões de gênero no âmbito do brincar. As crianças são produtoras de culturas infantis e é por meio do brincar que elas estabelecem suas conexões com o mundo. Compreender como essas relações entre meninas e meninos são construídas durante as brincadeiras são fundamentais para entender como os significados de gêneros são impressos em seus corpos desde muito cedo. Isso faz com que essas crianças desenvolvam comportamentos que correspondem a características desejáveis pelo meio sociais, gerando assim, um processo de feminilização e masculinização precoce.

A brincadeira é algo que está presente no cotidiano das crianças. É por meio dela que meninos e meninas apresentam suas formas de compreensão sobre o mundo. A produção da cultura infantil se dá diariamente em espaços que as crianças se sintam inspiradas para criar. Entretanto, vivemos em uma sociedade, na qual se estabelecem antes mesmo do nascimento, atribuições para o sexo feminino e masculino. Segundo Daniela Finco (2003), as relações de gênero podem ser entendidas como:

Construção social que uma dada cultura estabelece ou elege em relação a homens e mulheres. O conceito de gênero implica conhecer, saber mais sobre as diferenças sexuais e seus significados. Compreender como são produzidas, pelas culturas e sociedades, as diferenças nas relações entre homens e mulheres. Portanto, como nos diz Scott (1995), gênero pode ser entendido como a organização social da diferença sexual. (FINCO, 2003).

Meninos e meninas deveriam ser livres para brincar com que quiserem, pois só assim, teriam a possibilidade de vivenciar outras experiências e a oportunidade de desenvolver um olhar mais empático em relação ao outro. Contudo, instituições sociais, como a escola e a família, ainda são os principais meios que ressaltam quais devem ser os comportamentos específicos para cada sexo. Esse tipo de mentalidade acaba impedindo, muitas vezes inconscientemente, que as crianças explorem outros brinquedos e brincadeiras que não se enquadre no padrão definido para cada gênero.

Permitir que as crianças brinquem apenas com o que é apresentado como “adequado para cada sexo”, contribui para a manutenção de uma sociedade preconceituosa e não igualitária. Meninos e meninas perdem a oportunidade de adquirir novos conhecimentos e habilidades, que são fundamentais na construção do seu próprio Eu. As crianças quando brincam nos mostram muito a respeito de quem são e como são tratadas. É importante estar presente nesses momentos, participar e estar junto. Esses períodos são significativos não apenas para conhecer a criança, mas para que ela possa perceber que é valorizada e que aquele espaço é livre para ela ser o que quiser.

A divisão entre os gêneros fica muito clara no cotidiano escolar. A hora do recreio é um bom momento para observar essa separação entre ambos os sexos que é, em geral, muito sutil. Enquanto as meninas, geralmente, gostam de pular corda, brincadeira que é conduzida muitas vezes ao som de cantigas carregadas de simbologias e significados machistas, os meninos frequentemente estão empenhados com brincadeiras que possibilitam se expressar corporalmente, ou seja, brincadeiras que permitem correr, gritar ou interagir em grandes grupos de outros meninos, como por exemplo, jogar futebol ou queimada.

É importante ressaltar, que existem as exceções e que de acordo com Finco (2003), ainda hoje é muito frequente nos depararmos com situações em que crianças que, ao demonstrarem comportamentos não "apropriados" para seu sexo, causem preocupação e sejam motivo de incômodo e dúvidas para seus familiares, profissionais da saúde e da educação.

[...] A criança transgressora desafia as normas pressupostas e coloca-se em discussão. Mostra, por suas ações, que masculinidade e feminilidade são construções sociais que também acontecem na Emei, que já chegou a separar meninos e meninas, com atividades distintas, contribuindo para fabricar sujeitos desiguais. (Vianna e Finco, 2009).

Claudia Vianna e Daniela Finco (2009) expõem que o peso do caráter biológico na construção das diferenças implica diretamente no papel cultural em que cada sexo é posto ao longo do processo de socialização, sobretudo na infância, sendo ressaltadas diariamente as características tidas como naturais atribuídas para o que é feminino e masculino. Esses diversos esforços para notar essas tais distinções, como comportamento e habilidades, são na verdade formas socioculturais de controle do corpo infantil, que são passadas a adiante em muitos casos de maneiras sutis e imperceptíveis.

Essas práticas disciplinares que os corpos sofrem ao longo do tempo e as marcas que são deixadas pelos mecanismos que tentam adestrar quem não corresponde o que se é imposto, não são oriundas das características do corpo biológico, mas sim, das construções sociais. Posto assim é possível que refletir que o fim das desigualdades entre os gêneros só ocorreria com a compreensão de que sua produção tem embasamento social e não biológico.

As crianças são produtoras de culturas infantis e é por meio do brincar que elas estabelecem suas conexões com o mundo. Através de suas pesquisas em escolas do ensino infantil, Finco (2003) relata que em geral as crianças buscavam um companheiro para brincar e vivenciar momentos agradáveis, não importando ser menino ou menina. Para a autora, as crianças da Educação Infantil ainda não possuem o sexismo da forma como está presente na cultura dos adultos. Ou seja, é ao longo dos anos que permanecem na escola que as crianças vão aprendendo a oposição e a hierarquia dos sexos.

Considera-se que as relações das crianças na educação infantil apresentam-se como forma de introdução de meninos e meninas na vida social, quando passam a conhecer e aprender seus sistemas de regras e valores, interagindo e participando nas construções sociais. Porém, ao observar as relações entre as crianças, foi possível levantar a hipótese de que os estereótipos dos papéis sexuais, os comportamentos pré-determinados, os preconceitos e discriminações são construções culturais, que existem nas relações dos adultos, mas ainda não conseguiram contaminar totalmente a cultura da criança (FINCO, 2003).

Conforme citam Macarini e Vieira (2006), para os adultos os brinquedos são classificados como pertencentes ao universo feminino ou masculino, sendo o espaço familiar e do lar associados às meninas, já o externo e do trabalho para os meninos. As crianças “aprendam” de forma velada os “verdadeiros” comportamentos atribuídos para cada sexo, por meio dos brinquedos que são carregados de intenções e simbologias. Segundo os autores, em geral a sociedade classifica o brincar dos garotos como algo mais turbulento, enquanto as garotas se relacionam com brincadeiras que se assemelham às atividades de casa ou de faz de conta. Ressaltam também que, a preferência da criança em brincar com alguém do mesmo sexo pode estar relacionada com semelhança das atividades preferidas por elas.

Entretanto, é relevante pontuar que, as crianças costumam brincar com aquilo que lhe gera prazer e curiosidade, não existindo limites para a brincadeira e a imaginação. Costumes e hábitos estabelecidos como “padrões” atribuídos para cada sexo na sociedade, em geral não são levados em consideração em momentos de diversão e descobertas para as crianças pequenas.

Desse modo, ao refletir sobre a utilização dos brinquedos pelas crianças, foi possível afirmar que as categorizações dos brinquedos são construções criadas por adultos e não têm significado para as crianças nos momentos das brincadeiras (FINCO, 2003).

Diante dessas observações considera-se que, ao mesmo tempo em que a brincadeira se constitui como uma característica universal, ela também pode possuir aspectos específicos que irão depender de diversos fatores, tais como ambientes físicos, sociais, culturais e as características da criança (Macarini; Vieira, 2006). O brincar é um direito da criança garantido por lei, sendo assim, ela pode e deve escolher com o que ou quem gostaria de brincar, livre de imposições ou julgamentos. De acordo com Daniela Finco (2003) meninos e meninas são capazes de múltiplas relações e estão a todo o momento experimentando diferentes formas de brincadeiras, buscando assim, novos desafios e formas de conhecer o mundo.


Para as crianças tudo pode ser considerado brinquedo. É um elemento fundamental que compõem a trajetória da criança durante a infância. A chamada não-serenidade constrói entre o objeto e o ser brincante uma ponte para o imaginário, despertando a fantasia e a criatividade. Ao brincar a criança exercita todos os sentidos, libera suas emoções e apresenta para o outro sua forma de enxergar o mundo. Entretanto, nas últimas décadas vem sendo cada vez mais institucionalizado e refém de um enquadramento social, sendo fragmentado por gênero. O brinquedo é um objeto carregado de simbologias. Sua maneira de brincar, assim como, quem são seus donos nos mostra as interpretações sociais que estão sendo representadas, ou seja, ele se transforma em um produtor cultural.

Segundo Oliveira (1985), o brinquedo e principalmente o brincar são a janela para se explorar e conhecer melhor o real, permitindo que a criança exponha seus desejos, suas inquietudes e suas formas de expressão, manifestando simbolicamente tudo aquilo que foi reprimido.

O brincar estereotipado muitas vezes faz com que a criança não se abra para outras experiências e também para aquisição de novas habilidades. Macarini e Vieira (2006) apontam que, quando meninos e meninas saem de suas zonas de conforto quando estão brincando, podem como consequência, desenvolver diferentes interesses e maneiras de se relacionar com o mundo. Nessa perspectiva o adulto tem como papel fundamental de proporcionar possibilidades para que criança possa se expressar e adquirir novos olhares e aprendizados por meio da imaginação e do faz de conta. Durante o brincar não se deve fazer nenhum tipo de retaliação ou julgamento, a criança precisa sentir que está em um ambiente seguro e que pode se expressar da maneira que se sentir mais confortável.



Em suma, é importante ressaltar que, o brincar precisa ser algo divertido e prazeroso. Quando as crianças brincam, elas transformam tudo a sua volta, mesas se transformam pontes, colchonetes viram lagos e tecidos tornam-se fantasias ou até cabanas. A partir disso, as crianças geram novas formas de enxergar o que se passa ao seu redor. As brincadeiras proporcionam possibilidades de criação de diversas culturas infantis, viabilizando novas descobertas. Não se pode deixar que os padrões impostos pela sociedade tirem das crianças a oportunidade de vivenciar novas experiências e aprendizados sobre elas mesmas e sobre o mundo que habitam.


Bibliografias

FINCO, Daniela. Relações de Gênero nas Brincadeiras de Meninos e Meninas na Educação Infantil. Pro-posições. Dossiê: Educação Infantil e Gênero. Campinas. V. 14 n.3: set./dez.2003.

MACARINI, Samira M.; VIEIRA, Mauro L. O Brincar de Crianças Escolares na Brinquedoteca. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano. 2006.

PRADO, Patrícia D. As crianças pequenininhas constroem cultura? Considerações sobre educação e cultura infantil em creche. Pró-Posições. FE-UNICAMP, Campinas/SP, v. 10, n. 1(28) março de 1999.

SALLES OLIVEIRA, Paulo de. O que é o brinquedo. 3a ed., São Paulo: Brasiliense, 2017.

SAYÃO, Deborah. Crianças: substantivo plural. Zero-a-Seis. Revista Eletrônica do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação da Pequena Infância. CCE/UFSC, Florianópolis/SC.

28 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil