Buscar

Cada lugar um tipo de brincadeira

- Caroline Fukumoto -

Não consigo lembrar as brincadeiras da minha infância antes dos seis anos. Acho que eu devo ter brincado, mas não me lembro com clareza. Lembro-me de algumas cenas isoladas, e através de histórias contadas pelos meus pais é possível ter algumas pistas e também de algumas poucas fotografias de aniversários dá para ter ideia de alguns brinquedos que ganhei de pequena. O meu pai me disse que eu adorava mexer nos discos dele, eu esperava todos saírem da sala, para puxar pela ponta da capa, e deste modo fazer com que o disco caísse no chão, e depois disso eu gostava de ficar dançando sobre o disco. Ah que alegria ele deveria sentir quando eu brincava com os discos dele...rsrs A minha mãe disse que eu gostava de brincar de boneca, eu vi em algumas fotos que ganhei algumas bonecas durante a infância (Mônica, Barbie, Bebezinho).


Hoje em dia penso que eu gostava de brincar de boneca porque era a opção para uma criança se divertir sozinha. Esqueci-me de comentar que eu era filha única, e meus pais diziam que eu era uma criança doente, vivia com problema de bronquite, e não me lembro de ter vizinhos, e meus pais ficavam fora de casa durante o dia.

Uma fase marcante da minha infância foi quando me mudei para Pirituba, um bairro de São Paulo com nome de interior, mas que estava na capital. Nesta rua que eu me mudei tinham muitas crianças! Que alegria! Finalmente me lembro de ter brincado muito na rua, com vários vizinhos, brincado na escola, na igreja!

Brincar na rua era maravilhoso! Quando minha mãe me dava bronca por algo de errado que eu fazia, ela dizia que se eu não cooperasse não iria sair na rua. Pronto! Eu ficava de boa na hora! Nessa época acho que estudava de manhã, almoçava, fazia lição, e depois RUA! As brincadeiras eram variadas! Lembro-me de brincar de pega-pega, esconde-esconde, pular muro dos vizinhos, subir em árvores, carrinho de rolemã, skate, cinco pedrinhas, bobinho, vôlei, futebol etc.

Talvez na escola as brincadeiras fossem diferentes das brincadeiras de rua. Lembro-me de queimada, de corre-cotia, elástico, brincadeiras de mão (fui a clips saber o que era clips, por exemplo), vôlei, futebol, basquete. Lembro-me de brincar de passa anel, pular corda, elástico, ping-pong, stop, detetive na igreja. É interessante pensar que em cada espaço eu tinha acesso a brincadeiras diferentes, como o contato com diferentes crianças proporciona

vivências diferentes e uma experiência mais rica.

Lembro que aos nove anos ganhei uma casa da Barbie, mas acho que não curtia muito, brincava um pouquinho, lembro que adorava colocar roupas diferentes na boneca. Acho que naquele tempo Barbie já deveria ser um brinquedo caro, mas sem dúvida agora é muito mais! Eu queria era brincar na RUA com outras crianças!

Também gostava de figurinhas e artigos de papelaria. Lembro-me de ter economizado o dinheiro do lanche para comprar um estojo de canetas coloridas com cheirinho, e eu gostava tanto delas, mas não as usava, gostava de saber que as tinha- que bobeira! Quando resolvi usá-las, elas já tinham secado. Depois disso, só usei caneta azul, no máximo as cores daquela caneca bic quatro cores.

Lembro também de dois momentos especiais da minha infância envolvendo brincadeiras e as minhas avós. Lembro que a minha vó Maria levava minhas primas e eu para escorregar com papelão num barranco em algum lugar do Bairro da Freguesia, e recordo-me dela nos levando para brincar no Parque da Água Branca. Também me lembro de um natal quando eu deveria ter sete ou oito anos quando ganhei uma bicicleta rosa com rodinhas da minha vó Lourdes. Tenho paixão por parques e bicicletas!

Recordo-me da construção de um parque no bairro de Pirituba na época em que eu era criança. Naquele espaço eu brincava de balança, gangorra, gira-gira, amarelinha etc. Mas, acho que o melhor brinquedo era a balança! Que saudade da balança! Fiquei muitos anos sem brincar na balança, fiz isso recentemente num aniversário de criança agora em Novembro deste ano.

Lembrei que além de parques locais, também gostava das excursões para o Playcenter. Eu gostava muito do evolution, splash, polvo, montanha russa e de outros que não me recordo o nome. Além disso, numa determinada época ocorria a Noite do Terror, eu sinceramente nunca gostei do terror, mas adorava a ideia de brincar no parque no horário estendido.

Na fase da adolescência as minhas brincadeiras eram mais voltadas para o esporte. Eu adorava jogar vôlei, futebol e andar de bicicleta. Cheguei a fazer treinamento, mas tive que deixar porque precisava fazer curso técnico. O que eu mais gostava de fazer no curso técnico era jogar vôlei nas aulas vagas. Chegamos a organizar campeonato de dupla e equipe entre todas as turmas. Com a agenda cheia durante a semana, aos finais de semana eu aproveitava para jogar vôlei com a turma que aparecia no Parque, e também andava de bicicleta.

Na época do vestibular eu já não tinha muito tempo para brincar ou me divertir. Eu trabalhava durante o dia, e fazia cursinho à noite. Após alguns anos consegui passar na faculdade, e com os novos desafios não sobrava tempo para brincadeira. Acho que o tempo para brincadeira aparecia no carnaval.


Gincanas nos acampamentos da igreja! O acampamento era um momento de comunhão com Deus e momento de brincar! Vôlei! Futebol! Guerrinha de bexigas! Piscina! Tobo água! Fazer pirâmides na piscina! Saltos na piscina! Competição de velocidade em algum estilo! Equipe! Grito de guerra! Noite com traje especial! Lembro-me de ter participado alguns anos da equipe que elaborava as brincadeiras/ jogos e gincanas nos retiros. Teve um acampamento que conseguimos montar um circuito de desafios, com brincadeiras fáceis e difíceis, fizemos até premiação dos vencedores (até terceiro lugar).

Voltando para a época da faculdade, nunca discutimos como dar aula de língua para crianças na graduação- que absurdo! Acho que o único jogo que fizemos na aula de prática de ensino de italiano foi um jogo de bingo. Também lembro que de ter aprendido uma brincadeira cantada com o nome de “ci vuole un fiore”, que lembra a ideia acumulativa presente na música “a velha a fiar”.

Após o término da faculdade, dei um tempo de descanso para ver se fazia mestrado, e comecei a estudar música formalmente, e em seguida começaram os preparativos do meu casamento, e novamente não tive mais tempo de me divertir brincando. Depois de um tempinho, resolvi fazer outra graduação. As brincadeiras surgiram numa disciplina de prática de ensino de música para criança. Descobri que existia uma categoria de brincadeira chamada de brincadeiras musicais. Comecei a pesquisar e aprender e relembrar músicas da minha infância.

Já estava me esquecendo de contar que nasceu uma linda menina na família, minha sobrinha Sofia. E com ela a família toda voltou a brincar. Eu comecei a prestar atenção nas brincadeiras que ela mais gostava, e nas brincadeiras que ela criava, até brinquei com um jogo que ela criou em um dos museus. Depois de alguns anos nasceu outra criança linda, desta vez menino, meu sobrinho Ian. E com ele a família continua a brincar.

Antes dos sobrinhos nascerem, pensando bem, é possível lembrar-me de momentos de brincadeira nas festas de família. Os meus cunhados têm uma coleção de jogos de tabuleiro e alguns outros jogos diversos de quando eles eram crianças.

Exemplos de jogo em família: Dixit, Quartz, Resistencia, Jenga, Pega varetas etc.



Brincadeiras mencionadas durante a narrativa:


  • brincadeira com discos do meu pai

  • boneca

brincadeiras de rua

  • pega-pega, esconde-esconde, pular muro dos vizinhos, subir em árvores, carrinho de rolemã, skate, cinco pedrinhas, bobinho, vôlei, futebol etc

brincadeiras da escola

  • queimada, corre cotia, elástico, brincadeiras de mão, vôlei, futebol, basquete etc


brincadeiras da igreja

  • passa anel, telefone sem fio, pular corda, pingpong,stop, detetive

  • figurinhas (trocar e bater)

  • escorregar com papelão num barranco

  • bike com rodinhas

  • parques

  • esportes (vôlei, futebol e bike)

  • gincanas nos acampamentos da igreja

  • brincadeiras diversas: fazer pirâmides, saltos, competição de

  • velocidade, guerrinha de bexigas etc.

  • bingo

  • brincadeira cantada italiana “ci vuole um fiore”

  • jogo da Sofia

  • jogos de tabuleiro (dixit, quartz, resistência etc)

  • jogos diversos ( jenga, pega varetas etc)


Para conhecer:


https://www.youtube.com/watch?v=mrd7CxDxyEE

https://www.youtube.com/watch?v=DyEq-BL32tY

https://www.youtube.com/watch?v=DyEq-BL32tY

17 visualizações

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil