Buscar

SER PRESENÇA E ESCUTA DIANTE DAS CRIANÇAS

- Renata Laurentino ¹ -




Há algum tempo escuto sonhos, em diferentes lugares e contextos.

Adoro ouvir e realizar sonhos com as crianças e com suas comunidades.


Algumas vezes quando estou diante de um sonho infantil, tenho que fazer um esforço para acreditar que é possível realizar o que aquela criança está me contando com palavras e com todo o corpo. As crianças têm uma capacidade incrível de descrever o que elas imaginam.

Tenho dentro de mim, que tudo que imaginamos, existe em algum lugar, portanto, é possível de ser materializado. Ouvi esses dias de Lydia Hortélio ( Pesquisadora e educadora) , que quando estamos diante de uma criança, estamos diante do novo, do mais avançado… As crianças chegam para nos contar a novidade, apontam para o que desconhecemos, trazem consigo a inovação.



A presença e a escuta são tudo que podemos oferecer para quem está chegando nesse mundo, disse minha amiga, Emi Tanaka (escutadora de crianças) esses dias. Luísa Leme (arquiteta e observadora de crianças), me contou que ao receber as crianças que ela cuida, não tem nada preparado. Porque é seguindo o movimento dos corpos, e os olhares, que ela entende em que direção ela deve seguir no encontro.



Adriana Friedmann (educadora e antropóloga) não cansa de dizer que agora “ É a vez e a voz das crianças". Nos últimos anos a humanidade abriu o centro do círculo para as crianças brincarem.


Parece tarefa simples, mas não tem sido. Estamos nos distraindo com coisas desimportantes, complicando, dificultando e nos enrolando na relação que temos com as crianças e com a gente mesmo.

Desconfio que se formos capazes de honrar e valorizar a presença das crianças em nossas vidas, respeitar seus tempos, seus processos de aprendizagem, ouvir seus corpos e suas vozes, teremos a oportunidade de reconstruímos nossa humanidade saudável.


Eu vim aqui contar sobre algo extraordinário que aconteceu comigo nos últimos meses, durante esse caos pandêmico. Eu tive tempo de escutar…


Escutei o céu, pude observar a dança das nuvens, vi o trânsito dos pássaros, observei o nascer e o pôr do sol, vi a diversidade de cores que esse movimento todo tem.



Escutei as plantas, percebi como elas reagem a cada período do dia, como bailam o tempo todo com o vento e com sol, como brotam e como se entregam de novo pra terra.


Escutei as pedras, senti suas temperaturas, seus desenhos, cores e formas.

Escutei as águas, nas bacias, nas tempestades, nas garoas, nos subsolos da casa e das ruas.





Escutei os gatos, cachorros, pássaros, insetos...


Tudo isso foi possível, porque eu estava acompanhada e me permiti ser guiada por uma bebe de 2 anos, que a todo tempo está em diálogo atento e simples com tudo que estava ao redor.


Minha filha e as crianças têm presença nas relações. Trazem consigo uma capacidade imensa de apreciar detalhes, invisíveis aos olhos de adultos distraídos com tudo e mais um pouco. Fico o tempo todo pensando quanta energia dedicamos a “distrair” as crianças, de preferência se essa distração deixá-las quietinhas para que possamos seguir fazendo o que quisermos, sem elas.


As crianças chegam no planeta convidando a gente para o simples, para a apreciação da natureza que somos, para olharmos a vida por outros ângulos, para o encontro genuíno.


Na utopia que me move, acredito que as crianças são nossos guias para nossas micro e macro transformações internas e externas.


Ao escrever isso, não estou querendo colocar nenhuma responsabilidade de transformação nas costas desses pequenos seres que acabaram de chegar. Não acho que o futuro seja as crianças, muito pelo contrário, elas são o Presente.


A responsabilidade é coletiva, somos nós seres mais vividos no planeta, que temos a oportunidade de abrirmos espaço e tempo para escutarmos, cuidarmos e estarmos uns com os outros.


Vamos precisar de coragem para desapegar de padrões que nos distanciam, e começar a desenhar cotidianos possíveis, que nos aproximam. Voltar a fazer escolhas para a integração, e não para a separação. Como diz aquele conhecido ditado africano :


É preciso uma aldeia inteira para cuidar de uma criança.


Se todas as pessoas adultas da nossa comunidade estiverem sendo cuidadas de forma integral, nossas crianças estarão. Que venha o novo ciclo, que possamos aprender e crescer guiados pelo cuidado comunitário


___________________________________________________________________________________




¹ Renata Laurentino (@renatalaurentino) é arte-educadora, brincante, contadora de histórias e pesquisadora das Infâncias.


Nos últimos 8 anos trabalhou com o Instituto Elos e na Acupuntura Urbana, desenvolvendo e facilitando projetos com participação comunitária em diversas regiões do Brasil. Atualmente íntegra o coletivo "Nutrição para Imaginação" e o coletivo "A vez e a voz das crianças". E atua como consultora em escolas públicas e particulares com o objetivo de fortalecer a comunidade escolar através de ações e projetos realizados de forma coletiva.


443 visualizações0 comentário

Contate-nos:

+55 11 3255-4563  - contato@ipabrasil.org

Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil