Ser um Agente do brincar

- Ana Claudia Di Tullio -



O ato de brincar tem papel central na vida de uma criança. Principal maneira com que ela se relaciona com o mundo. Quando brinca, a criança tem autonomia. Coloca no brincar sua vontade, seu desejo. A brincadeira constitui parte essencial da cultura infantil, construção viva e orgânica. Através do brincar, o sujeito transforma seu ambiente.

Para mim, o desejo de ser uma agente do brincar surge da experiência de ser professora. Do desejo de ser alguém que possa propiciar momentos, ambientes e lugares em que o sujeito criança possa ser livremente, possa brincar do que quiser e fazer o mundo do seu jeito. E, da mesma maneira, a criança existente em todo adulto.

Sou uma pessoa adulta. Mas não é por isso que deixo de brincar. Estou brincando a todo o momento: quando lavo louça, brinco de lavar primeiro todas as facas, e depois todos os garfos e só depois todas as colheres. Quando estou andando na rua, brinco de pisar apenas nos tijolos pretos. Brincava que minha cachorra era minha filha, e conversava muito com ela. Brinco de colorir as bordas dos cadernos. Brinco de enfiar a mão no pote de arroz e sentir os grãozinhos tocando meus dedos. Brinco de estourar as bolinhas do plástico-bolha. Assim como a protagonista do filme “O Fabuloso Destino de Amélie Poulan”, de Jean-Pierre Jeunet, encontro prazer em me relacionar com o mundo de forma lúdica. Sou também brincante.

O agente do brincar não é um professor. Não é um instrutor, não é um recreador. O agente do brincar é um indivíduo que cria situações a serem descobertas, lugares a serem explorados e ambientes a serem transformados. É um profissional que agencia tudo isso, de modo que o brincante de qualquer idade transforme a realidade dada, relacionando-se com ela.

As crianças me ensinam diversas outras maneiras de brincar. Ser professora de artes de educação infantil é acompanhar a construção do mundo pelas crianças. E elas estão constantemente construindo-o. Com a tinta, com o lápis e com a massinha. Dar uma pincelada no papel é criar uma estrutura. E quem comanda o pincel comanda o mundo: cria suas regras, cria seus limites. O limite pode ser o papel. Mas pode ser a mesa, o chão, o braço, o rosto. No momento em que lê imagens, a criança também brinca. Olha a pintura de um artista e, brincando, vê. Vê que os olhos são engraçados, que o chapéu parece um carro, que as cores são esquisitas. Brinca de descobrir as coisas.

Como professora, meu papel é mediar. É mostrar quantos caminhos são possíveis. Também é observar, e a partir da observação fazer decisões que possam aumentar ainda mais a fruição da criança naquele momento.

Quando brinca, a criança vive. Vive seu momento, vive outros momentos. Pode ser ela mesma, mas também pode ser outra. Pode estar ali, mas pode também ir para outros lugares. O que importa é que, no brincar, a criança é. E é pelo brincar que ela descobre o mundo, descobre os desafios, descobre os limites de seu corpo. É pelo brincar que a criança se relaciona com as outras pessoas, adultos e crianças. Brincadeira é simbolismo. E é através desse que a criança pequena representa o mundo.

E que criança é essa? Qualquer uma. Toda e qualquer criança brinca. Ainda que não possua infância, a criança tem uma capacidade inata de ver o mundo pelos olhos do brincar. Capacidade essa que se vai diminuindo ao longo da vida. Mas que é essencial. Penso em filmes como “A Vida é Bela”, de Roberto Benigni; “O Labirinto do Fauno”, de Guilhermo del Toro; “Filhos do Paraíso”, de Majid Majidi; infâncias que foram suprimidas, vidas possíveis através do brincar, do olhar lúdico sobre o mundo.

Quero ser uma agente do brincar para ser capaz de criar e propiciar ambientes, momentos, lugares e situações para que crianças de quaisquer idades e origens possam construir suas realidades, possam tornar-se brincantes em toda sua potência. Possam criar mundos. Desta maneira, vou eu também construindo minha realidade.



107 visualizações1 comentário

© 2016 IPA BRASIL. Criado por Andréia Luz via WIX.

Contate-nos: +55 11 3255-4563 * contato@ipabrasil.org

                      Rua José Armando Affonseca, 103 (antiga Itambé, 341) 

                      Higienópolis - São Paulo, SP - 01239-001

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle

ipa brasil, rede brincar, pelo direito de brincar, artigo 31 ONU, agentes do brincar, mediadores do brincar, agentes do brincar inclusivo, International Play Association, ipa world, direito da criança, estatuto da criança e do adolescente, marilena flores, janine dodge, ipa brasil